Ficha do Filme

300: A ASCENSÃO DO IMPÉRIO

(300: Rise of an Empire, 2013)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa

Estreia

07/03/2014

A história corre paralelamente à Batalha das Termópilas, mostradas no longa 300 e leva a guerra para o mar, à medida que o general grego Temístocles (Sullivan Stapleton) tenta unir a Grécia ao liderar um exército contra as poderosas forças persas, lideradas por Xerxes (Rodrigo Santoro), um mortal que virou deus, e por Artemesia (Eva Green), uma vingativa comandante da marinha.

10
Nota do Público

Vote

COMPARTILHE:

FICHA TÉCNICA

Gênero: Ação

Direção: Noam Murro

Roteiro: Kurt Johnstad, Zach Snyder

Elenco: Andrew Pleavin, Andrew Tiernan, Ashraf Barhom, Ben Turner, Callan Mulvey, Christopher Sciueref, Evan Green, George Georgiou, Jack O'Connell, Mark Killeen, Peter Ferdinando, Rodrigo Santoro, Steven Cree, Sullivan Stapleton, Trayan Milenov-Troy, Yigal Naor

Produção: Bernie Goldmann, Deborah Snyder, Gianni Nunnari, Mark Canton, Thomas Tull, Zack Snyder

Fotografia: Simon Duggan

Duração: 103 min.

Ano: 2013

País: Estados Unidos

Cor: Colorido

Estreia: 07/03/2014 (Brasil)

Distribuidora: Warner Bros

Estúdio: Atmosphere Entertainment MM / Cruel & Unusual Films / Hollywood Gang Productions / Legendary Pictures / Warner Bros. Pictures

Classificação: 18 anos

Informação complementar: Baseados na obra de Frank Miller

IMAGENS

CRÍTICA

por Roberto Guerra

A continuação do sucesso 300 começa com a cena em que Xerxes, montado a cavalo, ergue seu machado e decapita o Rei Leonidas. O filme salta então para a rainha Gorgo (Lena Headey) contando aos espartanos a histórica Batalha de Maratona. Neste enfretamento épico entre atenienses e persas, o General Themistokles (Sullivan Stapleton) mata o rei persa com uma flechada. Segundo Gorgo este foi um erro: ele deveria ter matado o filho do rei, Xerxes (Rodrigo Santoro), um jovem normal à época.

Antes de dar o último suspiro, o rei persa diz ao filho que só um deus pode derrotar os gregos. A ambiciosa Artemisia (Eva Green) ouve a palavras do monarca moribundo e convence Xerxes a passar por um ritual que o transforma no gigante deus da guerra que conhecemos no primeiro longa. Essa introdução nos leva a pensar que Xerxes será o personagem central da trama, mas não é o que acontece. Daí em diante o filme se concentra mesmo na guerra naval entre Themistokles e Artemisia.

O que segue são muitas cenas de batalha pontuadas por inúmeros momentos em slow-motion e sangue digital jorrando pra todo lado. Em meio a esse artificialismo a sensação é de estar assistido a uma partida de videogame de hora e meia. É tanta cena de combate que a certa altura não sabemos mais quem está brigando com quem. A frágil trama do filme vai aos poucos sendo engolida pelos efeitos digitais e não importa muito quem vai vencer ou perder . Não torcemos de fato por ninguém nem nos aproximamos dos personagens.

A Ascensão do Império é uma ode ao CGI (Imagens Geradas por Computador), um show tecnológico muito bem acabado e vazio. Quem quer ver muita pancadaria e não se importa se há ou não uma história permeando e dando sentido ao espetáculo, pode encarar a sessão sem medo. Por outro lado, para os que acham que uma boa trama ainda é a base de um filme – pensamento um tanto démodé hoje em dia – é melhor não perder seu tempo. 

COMENTAR

comments powered by Disqus
Parceiro R7