Ficha do Filme

A SAGA CREPÚSCULO: AMANHECER - PARTE 1

(The Twilight Saga: Breaking Dawn - Part 1, 2011)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa

DVD

BLU-RAY

Estreia

15/11/2011

A alegria de Bella Swan (Kristen Stewart) e Edward Cullen (Robert Pattinson), recém-casados, é interrompida quando uma série de traições e situações adversas ameaça destruir o mundo deles. Após o casamento, Bella e Edward viajam até o Rio de Janeiro para a lua-de-mel, onde finalmente se entregam a suas paixões. Bella logo descobre que está grávida, mas a chegada da filha, Renesmee, coloca em movimento uma perigosa cadeia de eventos.
7
Nota do Público

Vote

COMPARTILHE:

FICHA TÉCNICA

Gênero: Drama

Direção: Bill Condon

Roteiro: Melissa Rosenberg

Elenco: Alex Meraz, Alex Rice, Ali Faulkner, Angelo Renai, Anna Kendrick, Booboo Stewart, Bronson Pelletier, Carolina Virguez, Casey LaBow, Charlie Bewley, Chaske Spencer, Christian Camargo, Christian Serratos, Christian Sloan, Christopher Heyerdahl, Dakota Fanning, Daniel Cudmore, Elizabeth Reaser, Gabriel Carter, Ian Harmon, Jackson Rathbone, Jacob Black Ashley Greene, James Pizzinato, Jamie Campbell Bower, Jessica Stanley, Joe Anderson, Julia Jones, Justin Chon, Kellan Lutz, Kimani Ray Smith, Kiowa Gordon, Kristen Stewart, Mackenzie Foy, Maggie Grace, Mía Maestro, Michael Sheen, Michael Welch, Nikki Reed, Paul Becker, Peter Facinelli, Robert Pattinson, Sebastião Lemos, Sienna Joseph, Stephanie Moseley, Tanaya Beatty, Taylor Lautner, Tinsel Korey, Tora Hylands, Tyson Houseman

Produção: Karen Rosenfelt, Stephenie Meyer, Wyck Godfrey

Fotografia: Guillermo Navarro

Trilha Sonora: Carter Burwell

Duração: 135 min.

Ano: 2011

País: Estados Unidos

Cor: Colorido

Estreia: 15/11/2011 (Brasil)

Distribuidora: Paris Filmes

Estúdio: Summit Entertainment / Sunswept Entertainment / Temple Hill Entertainment / Total Entertainment / TSBD Louisiana / Zohar International

Classificação: 14 anos

Informação complementar: Baseado no livro de Stephenie Meyer

EXTRAS

- Sem Extras
- Formato da Tela: 16:9 Widescreen Anamórfico
- Áudio: Português e Inglês 5.1 Dolby Digital
- Legendas: Português e Inglês

- Sem Extras
- Formato da Tela: 16:9 Widescreen Anamórfico
- Áudio: Português e Inglês 5.1 Dolby Digital
- Legendas: Português e Inglês

IMAGENS

CRÍTICA

por Heitor Augusto

Mais romance água com açúcar, menos ação. A Saga Crepúsculo: Amanhecer - Parte 1, que já nasce como blockbuster antes de estrear, dominando metade (!) das salas de cinema do Brasil a partir desta sexta-feira (18/11), é enfadonho e tão conservador quanto as outras produções que construíram a franquia, especialmente Lua Nova.

A não ser por razões de mercado, o filme não justifica a divisão em duas partes. O inchaço do enredo transparece na artificialidade das situações dramáticas - diferentemente de Harry Potter e as Relíquias da Morte, cuja extensão do livro tornou aceitável a existência de dois capítulos finais.

A pequena sustentação de A Saga Crepúsculo: Amanhecer - Parte 1 está no dilema de Bella (Kristen Stewart): aos 18 anos, casa-se com o vampiro Edward (Robert Pattinson) e engravida. Deve seguir com a gravidez e correr risco de morte ou optar por um aborto e manter-se viva?

Durante a lua-de-mel, gravada no Rio de Janeiro (com uma cena medonha na Lapa e takes de Paraty que poderiam ser substituídos por qualquer outro paraíso exótico), surgem as dúvidas e os problemas do casal. Achar que esse fiapo de curva dramática é suficiente na construção de um filme envolvente é uma das inocências do roteiro do quarto capítulo da saga. A direção também se esforça em tornar explícito o peso da decisão de uma humana em se se unir com um vampiro - seu potencial algoz.

Num outro filme minimamente razoável e conduzido por mãos talentosas, o dilema seria resolvido em alguns planos, auxiliados por um par de diálogos inteligentes, elipses (supressão do tempo) e boa atuação. Amanhecer precisa de duas horas para tal. Precisa, não: finge que precisa.

Os únicos momentos em que ele se aproxima de ser um filme são as passagens mais sombrias, especialmente no pesadelo de Bella e o dolorido nascimento de sua filha, Renesmee.

Filme para iniciados

De toda a franquia, inaugurada em 2009, quando Taylor Lautner, Kristen e Robert ainda eram ilustres desconhecidos, A Saga Crepúsculo: Amanhecer - Parte 1 é o filme que menos dá bola para os não iniciados. A disputa dos lobos com os vampiros, o amor platônico de Jacob (Lautner) por Bella e a rivalidade do clã dos Volturi são dados, não explicados - o que não é necessariamente um problema.

Porém, isso indica que não houve o desejo de abrir diálogo com um espectador comum apenas interessado num bom filme, mas sim entregar o produto que a rede de fãs espera. Tanto que todos os códigos medíocres dos filmes anteriores estão lá - destaque para as medonhas sequências que parecem extraídas de um videoclipe.

Amanhecer estabelece também um paradigma na franquia: é o filme mais conservador, mais até que Eclipse. Sexo, só depois do casamento. Aborto, nem pensar, está fora de questão. Matar bandido não é algo ruim. Até o jeito que Bella se deixa "pegar" por Edward parece inspirado na representação da mulher no cinema norte-americano dos anos 1930.

A capacidade de comunicação desses valores com a juventude que tornou a franquia um negócio lucrativo é uma constatação assustadora do quão conservador é o nosso tempo.

Assim como os filmes anteriores da Saga Crepúsculo, Amanhecer requenta a narrativa do amor impossível, presente nos clássicos da literatura, para a parcela careta da geração Twitter.

E como todo filme-franquia, abre caminhos para a próxima produção, cujos indícios são dados em uma cena adicional nos créditos finais.

COMENTAR

comments powered by Disqus

CURIOSIDADES

Do mesmo diretor de Dreamgirls - Em Busca de um Sonho
Partes das cenas foram filmadas no Rio de Janeiro
Primeira parte do capítulo final de A Saga Crepúsculo
A Summit Studio e Stephenie Meyer se encontraram com Mark Waters e Gus Van Sant para negociar uma possibilidade de dirigir o filme
Parceiro R7