Ficha do Filme

ANJOS DA NOITE: O DESPERTAR

(Underworld: Awakening, 2012)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa

DVD

BLU-RAY

Estreia

02/03/2012

Após acordar de um coma de mais de dez anos, Selene (Kate Beckinsale) vê que o mundo mudou muito desde que "apagou". Os humanos descobriram a existência dos vampiros e lobisomens e passaram a caçar essas raças. No meio da eterna disputa, descobre que possui uma filha adolescente que é metade vampira e metade lobisomem, que precisará de sua ajuda.

Vote

COMPARTILHE:

FICHA TÉCNICA

Gênero: Ação

Direção: Björn Stein, Måns Mårlind

Roteiro: Allison Burnett, J. Michael Straczynski, John Hlavin

Elenco: Adam Greydon Reid, Benita Ha, Catlin Adams, Charles Dance, Christian Tessier, Dan Payne, Ian Rozylo, India Eisley, Jacob Blair, Kate Beckinsale, Kris Holden-Ried, Kurt Max Runte, Lee Majdoub, Mark Gibbon, Michael Ealy, Panou, Richard Cetrone, Robert Lawrenson, Sandrine Holt, Stephen Rea, Theo James, Tyler McClendon

Produção: Gary Lucchesi, Len Wiseman, Richard S. Wright, Tom Rosenberg

Fotografia: Scott Kevan

Duração: 98 min.

Ano: 2012

País: Estados Unidos

Cor: Colorido

Estreia: 02/03/2012 (Brasil)

Distribuidora: Sony Pictures

Estúdio: Lakeshore Entertainment / Screen Gems / UW4 Productions

Classificação: 16 anos

EXTRAS

- Formato de tela: Widescreen Anamórfico
- Idiomas: Português e Inglês
- Legendas: Português e Inglês
- Formato da tela: Widescreen Anamórfico
- Idiomas: Português, Inglês, Japonês e Francês
- Legendas: Português, Inglês, Dinamarquês, Holandês, Finlandês, Francês, Japonês, Norueguês e Sueco

IMAGENS

CRÍTICA

por Vanessa Lee

Para os que acharam que Anjos da Noite não daria mais pano para manga, a sequência O Despertar mostra que não é bem por aí. Pior: o terreno pode estar sendo preparado para mais um longa. Desta vez, para agradar os fãs da franquia, os diretores Måns Mårlind e Björn Stein ressuscitaram a vampira Selena (Kate Beckinsale) e rechearam o filme com mais ação e violência.

Com três roteiros fracos antecedendo o atual, esperar uma evolução seria otimismo demais até mesmo para um fã. O longa anterior, A Rebelião, parecia ser a cereja do bolo, considerando que muitas séries terminam mostrando como tudo começou. Mas, enfim, não foi dessa vez.

Em O Despertar o roteirista John Hlavin, conhecido pela série de TV The Shield, se enveredou para o lado da ficção científica. A trama mostra Selene acordando depois de ser mantida congelada num freezer criogênico por doze anos. Ela conhece uma garotinha chamada Nissa, uma perigosa mistura de vampiro e lobisomem, e passa a defendê-la de um grupo assassino de lobisomens modificados.

Como mais uma vez o enredo não é o forte, as bem ensaiadas cenas de ação salvam o investimento do espectador. Kate Beckinsale parece até mais à vontade ao descarregar sua raiva sobre os inimigos. A sequência em que degola policiais com um simples bisturi, em uma velocidade absurda, mostra que a atriz está à vontade no papel de Selene. Ela sabe mesmo o que está fazendo lá.

A direção de arte aproveita a porradaria e faz o sangue cenográfico jorrar. A pequena Nissa é quem protagoniza algumas das cenas mais cruéis, que incluem desmembramentos e desfiguração de inimigos. Já as transformações ainda não "chegaram lá", digamos assim. Na hora que humanos tomam a forma de lobisomens, saímos do estado de imersão para nos questionar como, em pleno século 21, ainda arriscam usar efeitos visuais tão simplórios. E não, falta de verba não justifica.

Como de praxe, a trilha sonora para Anjos da Noite não podia ser diferente: a seleção inclui Linkin Park, Lacuna Coil, The Cure, Civil Twilight e o esquecido Evanescence, que depois de um ostracismo monstro, volta também para tentar se projetar na cena do metal alternativo e rock industrial.

Em resumo: com uma história fraca, Anjos da Noite 4: O Despertar fica à mercê das sequências de luta para alcançar a bilheteria pretendida. O 3D também entra no pacote para atrair o público. Mas logo adianto: não mais que 20% das cenas permitem uma perspectiva tridimensional mínima.

COMENTAR

comments powered by Disqus
Parceiro R7