Ficha do Filme

CRIAÇÃO

(Creation (2009), 2009)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa

DVD

BLU-RAY

Estreia

19/03/2010

O filme conta a história do naturalista inglês Charles Darwin (Paul Bettanny), criador da teoria da evolução das espécies. Mostra o drama do renomado cientista e dedicado pai de família, dividido entre a religiosidade da esposa Emma (Jennifer Connelly) e a própria crença, em um mundo no qual não há lugar para Deus.

Vote

COMPARTILHE:

FICHA TÉCNICA

Gênero: Drama

Direção: Jon Amiel

Roteiro: John Collee

Elenco: Benedict Cumberbatch, Harrison Sansostri, Jennifer Connelly, Jeremy Northam, JimCarter, Paul Bettany, Teresa Churcher, Toby Jones, Zak Davies

Produção: Jeremy Thomas

Fotografia: Jess Hall

Trilha Sonora: Christopher Young

Duração: 108 min.

Ano: 2009

País: Reino Unido

Cor: Colorido

Estreia: 19/03/2010 (Brasil)

Distribuidora: Imagem Filmes

Estúdio: BBC Films / Recorded Picture Company (RPC) / UK Film Council

Informação complementar: Baseado na biografia escrita por Randal Keynes

EXTRAS

Slide Show
Novidades
Trailer Formato da tela: 16:9 Widescreen Anamórfico
Idiomas: Inglês / Português (5.1 e 2.0 Dolby Digital)
Legendas: Português / Inglês
Duração: 104 minutos
- Sem extras
- Duração: 104 minutos.
- Idiomas: Inglês Português
- Legendas: Inglês Português
- Formato de Tela: Widescreen

IMAGENS

CRÍTICA

por Heitor Augusto

Partindo do pressuposto de que a teoria da evolução das espécies de Charles Darwin já foi mexida, remexida, manipulada e consolidada, o roteirista John Colee (Happy Feet) e o diretor Jon Amiel (O Núcleo - Missão ao Centro da Terra) resolveram fazer um filme que focasse o período anterior à publicação do livro A Origem das Espécies, em 1859.

Criação tenta conciliar o Darwin cientista, um dos responsáveis por contestar o divino como condutor do mundo, e o pai de família que tenta superar a morte de sua filha mais querida, Annie (Martha West). Quando fala de ciência, o filme sabe olhar com a perspectiva histórica e colocar o quão transformadora foi a ideia de seleção natural.

Mas quando a dupla resolve fazer um filme de amor, Criação fica bem chato. Porque Amiel tem a mão pesada e dirige como se estivesse domando um cavalo rebelde. Quando a história vai tomando um rumo natural e com mais fluidez, ele faz questão de chamar para a outra direção.

Aí Jennifer Connelly, que interpreta a esposa Emma, encarna a mulher sofredora que renuncia às próprias convicções em prol do marido. Enquanto isso, ele passa pela jornada do herói que, após tormentos, supera os problemas pessoais para escrever o livro.

Criação tem seus bons momentos. A montagem até os 20, 30 minutos é ágil e aproveita os ganchos. O filme também acerta quando localiza o homem em seu tempo histórico e a força de “matar Deus” em seu livro. E num ponto de vista mais amplo, ainda serve de metáfora sobre o uso do conhecimento e os obstáculos para chegar a ele. Porém, o autor de A Origem das Espécies merecia um filme melhor.

COMENTAR

comments powered by Disqus
Parceiro R7