Ficha do Filme

CLUBE DE COMPRAS DALLAS

(Dallas Buyers Club, 2013)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa

DVD

BLU-RAY

Estreia

21/02/2014

A história de Ron Woodroof (Matthew McConaughey), consumidor de drogas, amante de mulheres, homofóbico, que, em 1986, foi diagnosticado com aids e recebeu a sentença de 30 dias de vida. A partir daí, sua luta pela vida intensificou-se e, quase à beira da morte, ele foi em busca de medicamentos alternativos fora do país já que o único remédio legal nos Estados Unidos para combater a doença, na época, era o AZT. Com a ajuda de sua médica, dra. Eve Saks (Jennifer Garner), e do travesti Rayon (Jared Leto), portador do HIV, Woodroof criou clubes em que as pessoas pagavam por esses tratamentos alternativos, o que levou as indústrias farmacêuticas dos Estados Unidos a travarem uma guerra contra ele. Woodroof morreu em 12 de setembro de 1992, seis anos após o diagnóstico fatal.

8
Nota do Público

Vote

COMPARTILHE:

FICHA TÉCNICA

Gênero: Drama

Direção: Jean-Marc Vallée

Roteiro: Craig Borten, Melisa Wallack

Elenco: Bradford Cox, Dallas Roberts, Denis O'Hare, Griffin Dunne, Jared Leto, Jennifer Garner, Jonathan Vane, Kevin Rankin, Lawrence Turner, Matthew McConaughey, Neeona Neal, Steve Zahn

Produção: Rachel Rothman, Robbie Brenner

Fotografia: Yves Bélanger

Duração: 117 min.

Ano: 2013

País: Estados Unidos

Cor: Colorido

Estreia: 21/02/2014 (Brasil)

Estúdio: Truth Entertainment

Classificação: 16 anos

EXTRAS

» Venda

» Venda

IMAGENS

CRÍTICA

por Daniel Reininger

Nos últimos anos, Matthew McConaughey entregou grandes atuações em filmes como Killer Joe, Amor Bandido e mostrou que pode ir muito além das comédias românticas enlatadas do passado. Em Clube de Compras Dallas, acaba de vez com qualquer dúvida sobre sua capacidade artística no papel de Ron Woodroof, eletricista diagnosticado com HIV positivo que cria seu próprio tratamento contra a AIDS, mesmo que isso o coloque em choque com o governo norte-americano.

A impressionante transformação física é apenas detalhe. A atuação de McConaughey vai além de estereótipos ao interpretar um texano homofóbico, mulherengo e manipulador que cria um mercado lucrativo e se transforma, aos poucos, na melhor esperança das vítimas da doença nos anos 80. Quando é diagnosticado, os médicos lhe dão apenas 30 dias de vida, mas como bom cowboy ele não desiste e parte para a luta, mesmo após seus amigos preconceituosos o abandonarem por considerarem a doença como algo restrito aos homossexuais.

McConaughey não é o único que impressiona. Jared Leto, que também passou por mudanças dramáticas no visual, é responsável por momentos de leveza e emoção no papel do transexual Rayon, também vítima da doença e sócio de Ron. O relacionamento dos dois é o fio condutor da narrativa e Ray é o retrato de anos de luta contra uma doença que tirou a vida de milhões. O ator o representa de forma tão humana que é impossível não sentir sua dor enquanto ele se agarra à vida com todas as forças.

Conforme a situação de ambos se deteriora e o tom dramático aumenta, os personagens mudam diante de nossos olhos, sem perderem a essência e com atuações complexas. Seus problemas não se resumem à doença e as dificuldades do tráfico dos remédios considerados ilegais na época. O governo americano não dá trégua e tenta acabar com o clube de compras financeira e legalmente, assim como médicos inescrupulosos ligados à indústria farmacêutica que fazem de tudo para desacreditá-los.

O diretor Jean-Marc Vallée apresenta bem essa luta ao criar jogo de gato e rato entre Woodroof e o governo. O resultado é uma mistura de histórias de traficantes, intriga política e um toque de comédia com ritmo ágil, mais próximo de Prenda-me Se For Capaz do que dramas sobre lutas de minorias. A forma como o governo é pintado como grande vilão tira um pouco do realismo da obra, porém funciona para o estilo de narrativa escolhido pelo cineasta.

Se, por um lado, a atitude do protagonista de mostrar o dedo do meio para as autoridades é divertida, por outro, o roteiro exagera na reafirmação de que ele é heterossexual. Toda chance de mostrá-lo com mulheres é aproveitada para deixar claro que a relação de Ron e Ray é apenas de amizade. Ainda assim, a trama mostra com detalhes a mudança de atitude de Woodroof em relação aos gays e a cena do supermercado é icônica.

Apesar do orçamento relativamente baixo, Clube de Compras Dallas recria de forma convincente o período da epidemia de AIDS. Pesado, mas com momentos divertidos, o longa não facilita as coisas para o espectador, apenas confia na força de seus protagonistas e no apelo universal da história de Ron Woodroof, que nos lembra como os maiores desafios trazem à tona o melhor de cada um de nós.

Prêmios e Indicações

2014

>> Oscar: Indicado na categoria Edição (John Mac McMurphy e Martin Pensa)

>> Oscar: Vencedor na categoria Melhor Ator (Matthew MacConaughey)

>> Oscar: Vencedor na categoria Melhor Ator Coadjuvante (Jared Leto)

>> Oscar: Indicado na categoria Melhor Filme

>> Oscar: Vencedor na categoria Melhor Maquiagem/Caracterização (Adruitha Lee, Robin Mathews)

>> Oscar: Indicado na categoria Melhor Roteiro (Craig Borten, Melisa Wallack)

COMENTAR

comments powered by Disqus
Parceiro R7