Ficha do Filme

DOCE VINGANÇA

(I Spit On Your Grave (2010), 2010)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa

DVD

BLU-RAY

Estreia

11/03/2011

Jennifer Hills (Sarah Butler) é uma escritora que sai da cidade e vai para uma encantadora cabana na floresta para começar a escrever um novo livro. Mas a presença de Jennifer na pequena cidade chama a atenção de quatro homens, que a estupram, violentam e a espancam. E, antes que possam matá-la, Jennifer se joga em um rio e some. Depois de alguns dias procurando por Jennifer, os quatro homens desistem da busca, acreditando que ela tenha morrido e sido levada pelo rio. Mas ela retorna e começa sua vingança.
6
Nota do Público

Vote

COMPARTILHE:

FICHA TÉCNICA

Gênero: Terror

Direção: Steven R. Monroe

Roteiro: Stuart Morse

Elenco: Amber Dawn Landrum, Andrew Howard, Chad Lindberg, Daniel Franzese, Jeff Branson, Mollie Milligan, Rodney Eastman, Sarah Butler, Saxon Sharbino, Tracey Walter

Produção: Lisa M. Hansen, Paul Hertzberg

Fotografia: Neil Lisk

Trilha Sonora: Corey A. Jackson

Duração: 108 min.

Ano: 2010

País: Estados Unidos

Cor: Colorido

Estreia: 11/03/2011 (Brasil)

Distribuidora: Paris Filmes

Estúdio: Family of The Year Production

Classificação: 18 anos

Informação complementar: Baseado no roteiro de Meir Zarchi

EXTRAS

Menu interativo
Seleção de cenas Formato de Tela: Letterbox
Legendas: Inglês / Português
Idiomas: Inglês / Português
Áudio: Dolby Digital 5.1
Menu interativo
Seleção de cenas Formato de Tela: Letterbox
Legendas: Inglês / Português
Idiomas: Inglês / Português
Áudio: Dolby Digital 5.1

IMAGENS

CRÍTICA

por Heitor Augusto

Diz o limitado rótulo de gêneros cinematográficos que Doce Vingança é um filme de terror. Mentira. Estamos falando de uma produção a integrar a larga tradição do cinema sádico, um filme que trabalha de maneira precisa a exploração da excitação sexual pela fruição da dor.

Ou seja, se o espectador castrar qualquer sinal do teor sádico que há em todos nós, vai sair correndo da sala de cinema. Claro, a castração é um meio digno que recorremos para não lidar com alguns instintos quando não estamos preparados.

Steven R. Monroe propõe um jogo cênico que coloca o espectador como voyeur. Numa leitura ousada, na relação que estabelece na sala de cinema, Monroe e seu filme são masoquistas, enquanto o espectador é o sádico que tem os limites de êxtase desafiado. Só que Doce Vingança não é um filme sofisticado, que tem a tortura abordada sob um olhar de Buñuel ou de um livro irônico e provocador de Marquês de Sade. Trata-se de um filme mais direto, seco, que não trabalha com a noção mais elaborada da outra face do sadismo, o amor.

Fincado no argumento da desforra, que já rendeu dezenas de filmes de exploitation, o longa-metragem apresenta vagarosamente a aspirante a escritora Jennifer Hills (Sarah Butler, fraca nas poucas nuances da personagem). Para terminar seu livro, Jennifer se refugia numa isolada cabana. O então predominante silêncio dá lugar a pequenas intervenções sonoras. Alguém a observa? Serão aqueles três rapazes que estavam no posto onde Jennifer reabasteceu o carro?

Doce Vingança é uma refilmagem de I Spit on Your Grave, de 1978, lançado no Brasil como A Vingança de Jennifer. Não assisti ao original, mas me contaram que ele flerta com o trash e recorre a elipses nas cenas de maior violência.

Claro, um exploitation da década de 70 tinha de responder à sua realidade. Hoje, o espectador se relaciona de outra maneira com a imagem, o que gera exageros na realização. Existe uma série de cineastas contemporâneos norte-americanos que, ao lidar com o terror ou a violência, entendem que muito nunca é demais e tudo precisa ser mostrado no limite (por exemplo, as tripas das vítimas em O Lobisomem).

É por isso que faço questão de pontuar que Doce Vingança é um filme sádico, não de terror. A violência é um componente que realiza mais uma operação psicológica no espectador do que imagética no filme. É projeção, não afirmação. Um flerte entre a dor de um e o êxtase do outro.

Como se trata de um filme de vingança como denuncia o título, Jennifer, a vítima, fará seus algozes pagarem na mesma moeda. Esperto, o roteiro de Stuart Morse cria uma narrativa circular, na qual os elementos cinematográficos que apareceram na primeira parte são retomados quando a garota persegue quem a coagiu.

Pensei que este remake seria misógino, mas não: da mesma maneira que o diretor Monroe adota o ponto de vista dos homens na primeira parte, embarca na perspectiva da mulher na hora da vingança e atinge os algozes no ponto chave: o falo. A balança está equilibrada e a violência é explícita para ambos os lados.

Não vemos em Doce Vingança um apuro como o de Buñuel a trabalhar com as projeções da culpa e da dor de sua heroína Séverine em A Bela da Tarde ou do possessivo e ciumento marido de O Alucinado. Mas o filme tem méritos ao trabalhar com a exploração da dor e colocar um jogo psicológico espectador/filme durante a sessão. Até aonde nós, que estamos assistindo ao filme, podemos ir?

COMENTAR

comments powered by Disqus

CURIOSIDADES

Refilmagem do longa A Vingança de Jennifer, de 1978.
Do mesmo diretor de Aprisionados
No início do filme, Jennifer compra US$ 19,78 de gasolina. 1978 é o ano que o filme original foi lançado
Parceiro R7