Críticas

Veja o que esperar das novidades nas telonas e estreias com os comentários da nossa equipe especializada.

A HORA DA ESCURIDÃO

(The Darkest Hour, 2011)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa
11/01/2012 14h00
por Edu Fernandes
O nível de exigência de verossimilhança em um roteiro baseia-se no grau de apuro apresentado por ele. Por essa razão, A Hora da Escuridão merece uma repreensão. O filme usa e abusa de argumentos científicos para retratar os vilões extraterrestres, mas traz falhas narrativas que não sustentam a história.

Tudo começa quando Sean (Emile Hirsch, de Aconteceu em Woodstock) e Ben (Max Minghella, de Tudo pelo Poder) viajam a Moscou para vender a ideia de uma rede social para investidores locais. A empreitada dá errado por causa de um golpe arquitetado pelo sócio sueco dos rapazes, Skyler (Joel Kinnaman, da série The Killing). A dupla segue, então, para uma casa noturna onde afogam as mágoas em vodka.

No meio da celebração com duas garotas que conhecem no local (Olivia Thirlby, de Sexo sem Compromisso, e Rachael Taylor, do seriado Grey's Anatomy), as luzes se apagam. Todos vão para a rua tentar determinar a causa do apagão. Diante dos olhos da multidão, luzes alaranjadas caem do céu em um balé macabro, já que se tratam de seres alienígenas praticamente invisíveis que transformam em cinzas qualquer ser humano que encoste neles.

Os quatro, mais o sueco que coincidentemente estava na mesma casa noturna, encontram refúgio no porão da construção. Dias se passam até que a comida acabe e o grupo tenha coragem de colocar os pés nas ruas de Moscou, que agora está deserta. A partir desse ponto, o espectador, já acostumado a filmes do tipo grupo-de-jovens-tenta-escapar-de-invasão alienígena/catástrofe natural/serial killer, imagina quais personagens sobreviverão e as condições em que cada um dos outros ficará para trás.

Por outro lado, a previsibilidade do roteiro pode ser rebatida por uma premissa criativa. Os extraterrestres são formados por ondas eletromagnéticas e, por isso, denunciam suas localizações. Quando se aproximam, luzes e outros eletrônicos se ativam. Cientes disso, os personagens decidem apenas sair de seus esconderijos de noite, para que seja mais fácil perceber onde estão os ameaçadores vilões.

No entanto, o saldo final de A Hora da Escuridão é negativo por esperar que o público faça concessões demais para aceitar as situações apresentadas na tela. A razão da invasão é captar recursos naturais da Terra. A falha narrativa está no fato de que os alienígenas não usam os humanos para conseguir extrair os tais recursos. Portanto, não há motivo para que as cidades sejam atingidas.

Usemos um exemplo ilustrativo. Imagine que você está com muita fome e se depara com uma plantação de maçãs. Você percebe que algumas das macieiras têm grandes formigueiros junto a suas raízes. Por quais árvores o leitor começaria a matar sua fome? Da mesma maneira, por que os invasores não se instalaram longe das cidades para concretizar seus planos de saque?



FAVORITAR

crítica NÃO FAVORITADA

COMPARTILHE:

COMENTAR

comments powered by Disqus
Parceiro R7