Críticas

Veja o que esperar das novidades nas telonas e estreias com os comentários da nossa equipe especializada.

ALEMÃO

(Alemão, 2014)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa
11/03/2014 20h00
por Roberto Guerra

Por muito tempo o Brasil desprezou o chamado cinema de gênero por sua associação inevitável com a produção hollywoodiana. Era coisa política mesmo, de resistência hostil a tudo que tivesse relação com o produto americano. Os filmes dessa época eram invariavelmente realistas e quase que obrigatoriamente tratavam de questões sociais. Os tempos mudaram, o público também, e a produção nacional volta a apostar no filme de gênero sem receio.

Alemão é um thriller policial assumido. É ambientado numa favela, trata do confronto entre bandidos e policiais, mas não é um "favela movie". Não tem pretensão maior que contar a história de cinco policias metidos numa enrascada. Disfarçados como moradores do Complexo do Alemão, são descobertos por traficantes e não podem ser resgatados para não por em risco a invasão da área que vai ocorrer em 48 horas. Até lá vão ter de se virar sozinhos para sobreviver à caçada comandada por Playboy, líder do tráfico vivido por Cauã Reymond.

Caio Blat (Samuel), Gabriel Braga Nunes (Danillo), Marcello Melo Jr. (Carlinhos), Milhem Cortaz (Branco), e Otávio Muller (Doca) interpretam a equipe de agentes infiltrados. Perseguidos pelos capangas de Playboy, se escondem no QG do grupo, uma pizzaria de fachada que serve de disfarce para o personagem de Muller. A tensão é grande não só porque podem ser capturados a qualquer momento. Sem saber como foram descobertos todos de uma vez, um clima de desconfiança se estabelece no grupo. Antônio Fagundes interpreta o delegado Valadares, que se vê impedido de resgatar a equipe da qual seu filho faz parte.

Alemão dá uma derrapada em sua primeira meia hora. A trilha sonora incidental onipresente tenta estabelecer um clima de apreensão a fórceps. Há um claro descompasso entre o desenvolvimento da tensão dramática e a música. O problema é resolvido logo depois quando começamos a conhecer os dramas pessoais de cada personagem e a aflição da situação começa a ser palpável para o espectador. Deste ponto em diante trilha e narrativa fazem parelha e se complementam.

O diretor José Eduardo Belmonte nunca havia trabalhado com o gênero. Realizador de filmes autorais, restrito a festivais e salas de arte, como Se Nada Mais der Certo (2009), aceitou o convite do produtor Rodrigo Teixeira e foi estudar: ver filmes que o ajudassem a entender a mecânica que caracteriza produções do tipo. Viu mais de 40 longas, revelou em entrevista. O esforço deu resultado.

Alemão consegue chegar à atmosfera de inquietude e angústia que pede um bom thriller policial. Tem ação, tiroteio, perseguição, explosão, mas sem a estrutura cara dos análogos americanos – o filme custou R$ 5 milhões. Produção muito bem-vinda neste momento do cinema nacional por ajudar a enfraquecer o cansativo embate polarizado que opõe filme comercial a filme "de arte". O cinema brasileiro não precisa de fronteiras guarnecidas por gente chata, precisa é de miscelânea.

FAVORITAR

crítica NÃO FAVORITADA

COMPARTILHE:

COMENTAR

comments powered by Disqus
Parceiro R7