Críticas

Veja o que esperar das novidades nas telonas e estreias com os comentários da nossa equipe especializada.

SOMOS O QUE SOMOS

(We Are What We Are, 2013)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa
05/12/2013 12h00
por Roberto Guerra

Em meio ao marasmo criativo entre os filmes de horror, Somos o que Somos já sai com um braço de vantagem por tocar em tema ainda não saturado no mercado: canibalismo. E por falar em braço, esta e outras partes do corpo humano ganham status de ingredientes neste soturno longa.

O filme começa exibindo a trágica morte de uma mulher que parece vítima de algum mal desconhecido. Ela é Emma Parker (Kassie DePaiva), mãe que deixa três filhos e o marido atordoados com sua partida. Os Parker, não demoramos a notar, parecem uma família estacionada em algum lugar do século 19. Vivem reclusos, vestem-se com roupas antiquadas e tem relações mínimas com a vizinhança.

Eles escondem um segredo que atravessa gerações da família, um ritual que necessariamente tem de ser comandado pelas mulheres do clã. Com a morte da mãe, a filha mais velha Rose (Julia Garner) é incumbida pelo pai, Frank (Bill sábio), a dar continuidade à tradição. Mas ela e a irmã mais nova, Iris (Ambyr Childers), parecem dispostas a abandonar o legado tétrico de seus antepassados.

Paralelamente, a pequena cidade onde moram enfrenta há anos uma sucessão de misteriosos desaparecimentos não esclarecidos. Uma de suas vítimas é o dr. Barrow (Michael Parks), cuja filha sumiu misteriosamente anos atrás. É ele que examina o corpo de Emma Parker antes do enterro. Certo de que algo estava errado com ela, resolve investigar a doença misteriosa que parece vitimar também Frank, o taciturno patriarca da família.

O diretor Jim Mickle consegue criar uma convincente atmosfera de medo e pressentimento obscuro em Somos o que Somos. O elenco atua de acordo e a ambientação de florestas densas, céus nublados e uma estação chuvosa ininterrupta contribui para a dramaticidade sinistra da história. O final é macabro e surpreende, apesar de um tanto excessivo. Para se ter uma ideia, fui informado antes da sessão de que o filme teria classificação indicativa 18 anos no Brasil; só entendi o porquê depois desta cena de encerramento. 

FAVORITAR

crítica NÃO FAVORITADA

COMPARTILHE:

COMENTAR

comments powered by Disqus
Parceiro R7