Ficha do Filme

FUGA DO PLANETA TERRA

(Escape From Planet Earth, 2013)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa

Estreia

30/05/2013

Scorch Supernova (Brendan Fraser) é um herói interplanetário, cujas façanhas costumam ser televisionadas para o deleite de seus fãs ardorosos. Com a ajuda do nerd Gary (Rob Corddry), diretor da Missão Basa Control, Scorch torna-se uma lenda e conquista o amor da bela repórter de televisão Gabby Babblebrock (Sofía Vergara) e a devoção do sobrinho Kip (Jonathan Morgan Heit). Quando a chefe da Missão Basa, Lena (Jessica Alba), intercepta um pedido de socorro vindo do Planeta Escuro, Scorch enxerga a missão de resgate como a grande chance de sua carreira. Gary, no entanto, tenta desencorajá-lo, uma vez que nenhum ser jamais conseguiu voltar do mundo distante (também conhecido como “Terra”). Mas, quando Scorch se dá conta de que foi atraído para uma armadilha mortal preparada pelo líder paramilitar General Shanker (William Shatner), talvez seja tarde demais.

Vote

COMPARTILHE:

FICHA TÉCNICA

Gênero: Animação

Direção: Cal Brunker

Roteiro: Bob Barlen, Cal Brunker

Produção: Catherine Winder, Luke Carroll

Fotografia: Matthew A. Ward

Trilha Sonora: Aaron Zigman

Duração: 89 min.

Ano: 2013

País: Canadá / Estados Unidos

Cor: Colorido

Estreia: 30/05/2013 (Brasil)

Distribuidora: Diamond Films

Estúdio: Blue Yonder Films / Jon Shestack Productions / Protocol Pictures / Rainmaker Entertainment

Classificação: Livre

Informação complementar: Baseado em história de Tony Leech e Cory Edwards

IMAGENS

CRÍTICA

por Daniel Reininger

Repleto de criaturas e cenários coloridos, Fuga do Planeta Terra tem o único propósito de divertir crianças acostumadas com desenhos da TV cabo. Essa produção da Rainmaker Entertainment, responsável pela série da Barbie, está repleta de imagens vibrantes, deixa a desejar em relação a outras animações voltadas para o público infantil.

A trama simples começa com o alienígena Scorch Supernova desrespeitando as instruções de seu comandante de missão (e irmão), Gary, colocando a vida de bebês em risco. Após muitas trapalhadas, o astronauta salva a todos e retorna para seu planeta, onde é recebido como herói. Depois disso, Scorch recebe a tarefa mais difícil de sua vida: precisa ir ao terrível planeta escuro, como é conhecida a Terra, para uma missão de resgate.

O longa não oferece nada original e tem narrativa confusa. A razão para essa falta de organização pode ser facilmente atribuída aos sete escritores diferentes que assinam a produção, além de um processo movido pelo diretor Tony Leech contra o estúdio. Com isso, o roteiro chegou a ser reescrito 17 vezes. Isso não é motivo para entregar uma obra de qualidade inferior, entretanto, a pressa para faturar com o filme, deixou o bom senso de lado.

A produção faz o básico para agradar as crianças; tem visual bem feito e está repleta de personagens clichês. Além dos protagonistas azuis, o magrelo Gary e o bombado Scorch, temos uma alienígena bibliotecária que alterna momentos de raiva e ternura, lesmas amorosas e cientistas fofinhos. Embora sejam visualmente atraentes, todos sofrem de falta de carisma, principalmente os dois protagonistas - irritantes do começo ao fim.

Para piorar, a dublagem brasileira é terrível. As falas soam falsas, exageradas e termos mal traduzidos doem nos ouvidos. A versão norte-americana tem vozes de estrelas como Brendan Fraser, Rob Corddry, Jessica Alba e Ricky Gervais e, embora não seja possível afirmar se eles fizeram um trabalho melhor, é uma pena não termos acesso ao som original nos cinemas. Além disso, a trilha sonora passa batida até o momento em qual incomoda com temas pop mal utilizados. O 3D, por sua vez, só vale a pena em uma ou duas cenas de perseguição.

Fuga do Planeta Terra é um filme fraco que deve divertir apenas as crianças muito pequenas, aquelas que não se importam com nada além de imagens coloridas.  Algumas piadas até se salvam, mas os pais terão que se esforçar para aturar uma hora e meia de exibição. Cada vez mais fica evidente a intenção dos estúdios de fazerem bilheterias fáceis com animações de baixa qualidade, pois sabem que espectadores de todo o mundo as consomem sem reclamar.

COMENTAR

comments powered by Disqus
Parceiro R7