Ficha do Filme

O CHAMADO DE DEUS

(O Chamado de Deus, 2000)

Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa

DVD

Seis jovens revelam como se decidiram pela vida religiosa. Alguns hoje são seminaristas da Igreja Católica e preparam-se para tornarem-se padres. Acreditam que, para ser fiel ao “Chamado”, é preciso inserir-se na realidade dos fiéis, contribuindo para reivindicar e concretizar seus ideais. Segundo eles, estariam atendendo ao Chamado de Deus, mas também a uma “convocação da realidade”. São revelados dois “Brasis”, um deles urbano, voltado para a liturgia com multidões e inspirado na espiritualidade da renovação carismática, outro, rural, evangelicamente mais pessoal e mais encarnado na realidade. Destes dois pontos de vista, surge uma sugestão dos rumos que deverão nortear a Igreja Católica no futuro próximo.
Prêmios de melhor documentário e melhor montagem no Festival de Brasília de 2000.

Vote

COMPARTILHE:

FICHA TÉCNICA

Gênero: Documentário

Direção: José Joffily

Roteiro: José Joffily

Produção: José Joffily

Fotografia: Antônio Luis Mendes, Guy Gonçalves, Luís Abramo, Marcelo Duarte, Nonato Estrela

Trilha Sonora: David Tygel

Duração: 80 min.

Ano: 2000

País: Brasil

Cor: Colorido

Estúdio: Coevos Filmes

Classificação: Livre

IMAGENS

CRÍTICA

por Celso Sabadin

Nada mais coerente: estréia nesta Semana Santa em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte o documentário brasileiro O Chamado de Deus. O filme analisa as expectativas de seis jovens que – cada qual à sua maneira – resolveram se dedicar à vida religiosa.

Entre estes seis, três rapazes se preparam para se tornar padres católicos da chamada Renovação Carismática. Outros dois rapazes e uma moça seguem uma linha mais próxima à Teologia da Libertação. O filme documenta suas idéias, suas posturas perante à política e à religião, suas famílias, suas filosofias teológicas. Não faltam depoimentos também de personalidades marcantes pertinentes ao tema, como, por exemplo, o famoso padre Marcelo Rossi.

O Chamado de Deus não toma partido. Ele apenas mostra, exibe, documenta os motivos pelos quais determinados jovens se sentem atraídos por uma vida dedicada à religião. É sóbrio, até certo ponto bastante convencional, e ao mesmo tempo envolvente. Mesmo para quem não tem especial predileção pelo tema.

Com montagem de Eduardo Escorel e música original de David Tygel – dois dos mais respeitados e premiados profissionais do cinema brasileiro –, O Chamado de Deus marca a estréia no documentário de longa-metragem do cineasta José Joffily, o mesmo de Quem Matou Pixote?

Curiosamente, o filme se une a outros dois documentários recentes – Santo Forte, de Eduardo Coutinho, e , de Ricardo Dias –, formando uma espécie de painel cinematográfico dos efeitos da religião sobre o povo brasileiro.

10 de abril de 2001
____________________________________________
Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rede Bandeirantes de Televisão, Canal 21, Band News e Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. celsosabadin@cineclick.com.br

COMENTAR

comments powered by Disqus
Parceiro R7