Ficha do Filme

O HOBBIT: A DESOLAÇÃO DE SMAUG

(The Hobbit: The Desolation Of Smaug, 2013)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa

DVD

BLU-RAY

Estreia

13/12/2013

Segunda parte do prequel da famosa trilogia O Senhor dos Anéis. A história, ambientada 60 anos antes da saga do Anel, mostra a inesperada aventura de Bilbo Bolseiro, tio do jovem Frodo,ao lado do mago Gandalf, do anão Thorin Escudo de Carvalho e seus 13 companheiros, no resgate de um tesouro da família de Thorin, que foi roubado pelo temido dragão Smaug.

9
Nota do Público

Vote

COMPARTILHE:

FICHA TÉCNICA

Gênero: Aventura

Direção: Peter Jackson

Roteiro: Fran Walsh, Guillermo del Toro, Peter Jackson, Philippa Boyens

Elenco: Adam Brown, Aidan Turner, Andy Serkis, Barry Humphries, Benedict Cumberbatch, Bret McKenzie, Cate Blanchett, Christopher Lee, Conan Stevens, Elijah Wood, Evangeline Lilly, Graham McTavish, Hugo Weaving, Iam Holm, Ian McKellen, James Nesbitt, Jed Brophy, Jeffrey Thomas, John Callen, Ken Stott, Lee Pace, Luke Evans, Mark Hadlow, Martin Freeman, Michael Mizrahi, Mikael Persbrandt, Orlando Bloon, Peter Hambleton, Ray Henwood, Renee Cataldo, Richard Armitage, Robin Kerr, Ryan Gage, Saoirse Ronan, Stephen Hunter, Sylvester McCoy, William Kircher

Produção: Carolynne Cunningham, Fran Walsh, Peter Jackson, Zane Weiner

Fotografia: Andrew Lesnie

Montador: Jabez Olssen

Trilha Sonora: Howard Shore

Ano: 2013

País: Estados Unidos / Nova Zelândia

Cor: Colorido

Estreia: 13/12/2013 (Brasil)

Distribuidora: Warner Bros

Estúdio: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM) / New Line Cinema / WingNut Films

Informação complementar: Baseado na obra de J. R. R. Tolkien

EXTRAS

» Locação

- Sem extras

- Formato de tela: 16:9 Widescreen Anamórfico

- Áudio: Inglês e Português

- Legendas: Inglês e Português

» Locação

- Sem extras

- Formato de tela: 16:9 Widescreen Anamórfico

- Áudio: Inglês e Português

- Legendas: Inglês e Português e Espanhol

IMAGENS

CRÍTICA

por Daniel Reininger

Quem diria que após a monótona primeira parte da trilogia de O Hobbit, Peter Jackson guardava na manga o ótimo A Desolação De Smaug. Diferente de Uma Jornada Inesperada, a sequência tem ritmo empolgante, drama e ação na medida certa e entrega a aventura que os fãs esperavam.

A história recomeça imediatamente após a batalha final do primeiro longa. Os viajantes  precisam fugir de Orcs e recebem abrigo e suprimentos de Beorn (Mikael Persbrandt), em preparação para a sua caminhada pela Floresta das Trevas. Lá, sem Gandalf, Bilbo e os 13 anões precisam lidar com ilusões e lutar com exércitos de aranhas gigantes - cena impressionante e visceral (especialmente em 3D) que faz a luta de Frodo e Sam com Laracna, em O Retorno Do Rei, parecer brincadeira de criança.

A primeira novidade em relação ao livro aparece logo na cena inicial. Saída de Contos Inacabados, é recriado o encontro secreto entre Gandalf e Thorin, Escudo de Carvalho (Richard Armitage), na taverna Pônei Saltitante. Meses antes da jornada em direção a Erebor, os dois fazem planos para recuperar a poderosa Pedra Arken e reclamar o reino dos anões, afinal o mago prevê turbulências no futuro.

Essa não é a única cena criada a partir de outras obras de Tolkien. De Silmarillion, vieram referências à jornada do mago cinzento, que abandona o grupo para investigar o Necromante de Dol Guldur. No livro O Hobbit, essa subtrama nunca é detalhada, porém o filme faz uso dela para traçar conexões com O Senhor dos Aneis, e ainda somos agraciados com um espetacular combate.

Embora Uma Jornada Inesperada seja mais fiel ao livro, Desolação de Smaug apresenta melhor a Terra Média. Alguns fãs podem reclamar de algumas passagens, como a inclusão do elfo interpretado por Orlando Bloom e sua companheira Tauriel (Evangeline Lilly). Mesmo assim, o nível de detalhe da adaptação é incrível e as mudanças só estão lá para deixar o longa mais divertido.

Jackson ainda expande o universo  ao apresentar as diferenças entre as raças locais. Os Elfos são isolacioniostas, os humanos da Cidade do Lago ambiciosos e os Anões não sabem lidar com o orgulho ferido. Esses detalhes proporcionam realismo ao mundo, por mais fantástico que ele seja. A apresentação dessas facções também é importante para criar a base para Lá e De Volta Outra Vez.

Além disso, o cineasta sabe encantar o público ao utilizar velhas armas de O Senhor Dos Anéis. Todas as fórmulas que deram certo no passado estão presentes e, por vezes, até causam sensação de Déjà-Vu.  A maneira como a ajuda chega na hora certa, as coregrafias das lutas e até a forma como Bilbo fica obcecado pelo Anel lembram muito a trilogia de uma década atrás.

A maior diferença é a qualidade técnica - melhor até mesmo em relação ao primeiro filme, principalmente o 3D. As cores são marcantes, os cenários grandiosos e os combates têm ainda mais acrobacias. A trilha sonora também agrada, com belas e poderosas composições instrumentais de Howard Shore, embora a canção mais linda da franquia até agora tenha aparecido apenas na primeira parte.

Uma Jornada Inesperada deixou gosto amargo na boca, mas Desolação de Smaug corrige os problemas e supera o antecessor em todos os aspectos. As cenas finais estreladas pelo Dragão (Benedict Cumberbatch) são ótimas, os diálogos divertidos e, quando a coisa esquenta, fica espetacular. Assim como Star Wars: Episódio V - O Império Contra-ataca, as coisas ficam sombrias, a tensão cresce e o espectador sabe que problemas maiores virão. A impactante cena final deixa isso bem claro.

Prêmios e Indicações

2014

>> Oscar: Indicado na categoria Melhor Edição de Som

>> Oscar: Indicado na categoria Melhor Mixagem de Som

>> Oscar: Indicado na categoria Melhores Efeitos Visuais (David Clayton, Eric Reynolds, Eric Saindon, Joe Letteri)

COMENTAR

comments powered by Disqus
Parceiro R7