Ficha do Filme

O MASSACRE DA SERRA ELÉTRICA 3D - A LENDA CONTINUA

(Texas Chainsaw 3D, 2013)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa

DVD

BLU-RAY

Estreia

17/05/2013

Uma jovem viaja para o Texas para receber uma herança, sem saber que um encontro com um assassino da motosserra faz parte da recompensa.

Vote

COMPARTILHE:

FICHA TÉCNICA

Gênero: Terror

Direção: John Luessenhop

Roteiro: Kirsten Elms, Stephen Susco

Elenco: Alexandra Daddario, Amanda Dyar, Bill Moseley, Blain Sanchez, Brandon Noack, Carl Bailey, Dan Forest, Dan Yeager, David Born, Dodie Brown, Elena Sanchez, Gunnar Hansen, James MacDonald, James Paul, Joe Guarneri, John Dugan, Johnnie Brannon, Jonathan Darden, Juliet Reeves, Kari J. Kramer, Keram Malicki-Sánchez, Kristen Beevers, Marilyn Burns, Michael Byrnes, Michael Patrick Rogers, Mike Walker, Nathan Scott, Nikolette Noel, Pamela Van Zandt, Parker June Spaulding, Paul Rae, Richard Riehle, Ritchie Montgomery, Roni Hummel, Sam McKinzie, Sarah Dandashy, Scott A. Martin, Scott Eastwood, Shaun Sipos, Shawn Shultz, Stephen Waters, Sue Rock, Tania Raymonde, Tavaris James Durell, Thom Barry, Timothy Hoffman, Tony McCullough, Trey Songz, Troy Harris, Veleka Gray

Produção: Carl Mazzocone

Fotografia: Anastas N. Michos

Trilha Sonora: John Frizzell

Duração: 92 min.

Ano: 2013

País: Estados Unidos

Cor: Colorido

Estreia: 17/05/2013 (Brasil)

Distribuidora: Europa Filmes

Estúdio: Lionsgate / Mainline Pictures Inc / Nu Image Films / Twisted Pictures

Classificação: 18 anos

EXTRAS

» Venda

- Sem extras

- Formato de tela: 16x9 widescreen

- Áudio: Inglês e português

- Legendas: Português e inglês

» Venda

- Sem extras

- Formato de tela: 16x9 widescreen

- Áudio: Inglês e português

- Legendas: Português e inglês

IMAGENS

CRÍTICA

por Roberto Guerra

Não se prenda a “detalhes”. Esse é o principal conselho para quem pretende assistir a O Massacre da Serra Elétrica 3D - A Lenda Continua e tirar do filme alguma diversão. E não me refiro à ferramenta de trabalho do vilão, uma motosserra a combustível que, sabe-se lá porque, continua a ser chamada de elétrica. Esse furo os fãs da série de horror já aprenderam ignorar faz tempo.

Esta versão é apresentada como continuação direta do famigerado longa de 1974 dirigido por Tobe Hooper. Passa-se nos dias de hoje, o que pode ser constatado na sequência em que um policial se comunica por vídeo-chamada de um celular de última geração. O problema, no entanto, é que a protagonista, um bebê na época dos acontecimentos do primeiro filme, parece ter no máximo 20 anos, o que não corresponde ao salto temporal de 40 anos entre as histórias. Um “detalhe”,apenas um "detalhe".

O filme começa com imagens convertidas para 3D do clássico de Hooper. Descobrimos que a família Sawyer, da qual o psicopata Leatherface faz parte, foi assassinada e queimada viva por moradores em fúria. O filme salta para os dias atuais e a bela jovem Heather (Alexandra Daddario) chega a cidade para receber uma inesperada herança da avó que não conheceu.

Ela foi "adotada" depois que o homem que chama de pai a raptou da família Sawyer no dia do massacre. Herda a mansão da avó e, claro, sabemos que algo macabro se esconde lá. Vai receber a herança acompanhada de alguns amigos, que, obviamente, estão no filme somente para serem abatidos nos minutos seguintes.

Tudo muito óbvio, tudo muito batido. As fórmulas e clichês explorados à exaustão pelos filmes do gênero se fazem presente. Só para citar um exemplo, temos a manjada sequência da vítima fugindo desesperadamente do assassino e... caindo. Uma vez. Outra vez. Leatherface é meio desengonçado ao andar e precisa de vítimas com problemas de locomoção e atrapalhadas para ser bem-sucedido.

Outra cena impagável é a do policial – aquele da vídeo-chamada supracitado – entrando na mansão seguindo um rastro de sangue nada discreto deixado pelo assassino. O cara está lá sozinho, sem apoio, adentrando o covil lúgubre do psicopata. Sangue por todo lado, ossos humanos dependurados, daí ele solta a brilhante frase: “Estou com um mau pressentimento”. Sério?

Neste ponto, no entanto, ignorando-se os “detalhes” e não levando nada muito a sério, é possível se divertir. O clímax é bem interessante, pois tenta humanizar a figura de Leatherface. Quando chegamos a ele descobrimos porque ao longo do filme o roteiro carregou com algum tipo de culpa cada uma das vítimas. Um era um ladrãozinho barato, outros estavam traindo a protagonista, outro era um político mau-caráter.

Por essa hora temos outro momento impagável. Heather, delicada e magrinha, arremessa uma motossera (cujo peso varia entre 5kg e 7kg) como se fosse uma bola de tênis para o primo malvado. Mais um “detalhe”. Não se apegando a este e muitos outros, dá para se divertir.

Em tempo: O 3D só serve para edulcorar o título do filme. Não faz a menor diferença.



COMENTAR

comments powered by Disqus
Parceiro R7