Ficha do Filme

XUXA EM O MISTÉRIO DE FEIURINHA

(Xuxa em O Mistério de Feiurinha, 2009)

Estrela ativa Estrela ativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa Estrela inativa

Estreia

25/12/2009

Princesas famosas de livros e filmes clássicos, como Branca de Neve (Daniele Valente), Cinderela (Xuxa), Bela Adormecida (Simone Soares), Rapunzel (Angélica) e Bela (Lavínia Vlasak), são convocadas quando Chapeuzinho Vermelho (Samantha Schmutz) comunica o desaparecimento da princesa Feiurinha (Sasha).
10
Nota do Público

Vote

COMPARTILHE:

FICHA TÉCNICA

Gênero: Aventura

Direção: Tizuka Yamasaki

Roteiro: Claudio Lobato, Gabriela Amaral

Elenco: Antônio Pedro, Bruna Marquezine, Daniela Mirie Dondo, Daniele Valente, Hebe Camargo, Lavínia Vlasak, Leandro Hassum, Luciano Huck, Luciano Szafir, Paulo Gustavo Bastos, Samantha Schmütz, Sasha Meneghel, Simone Soares, Xuxa Meneghel, Zezé Motta

Produção: Luís Cláudio Moreira, Mônica Muniz, Xuxa Meneghel

Fotografia: André Horta

Trilha Sonora: Ary Sperling

Duração: 82 min.

Ano: 2009

País: Brasil

Cor: Colorido

Estreia: 25/12/2009 (Brasil)

Distribuidora: PlayArte

Estúdio: Globo Filmes / Xuxa Produções

Classificação: Livre

Informação complementar: Baseado no livro de Pedro Bandeira

CRÍTICA

por Ana Martinelli

Houve um tempo em que filme da Xuxa, além de tradição no final do ano, era sinônimo de milhões de espectadores e bilheteria. No auge de sua carreira, a apresentadora infantil emplacou dois filmes seguidos com mais de quatro milhões de espectadores, respectivamente, A Princesa Xuxa e Os Trapalhões (1989) e, o maior sucesso de sua carreira, Lua de Cristal (1990), que levou impressionantes 4.980 milhões espectadores às salas de cinema, numa época em que a indústria cinematográfica brasileira estava em crise.

Depois de quase uma década sem produzir, Xuxa voltou a lançar quase um filme por ano a partir de 1999 e manteve a média de público de 2, 2 milhões. Mas parece que o reinado da “Rainha dos Baixinhos” não é mais o mesmo. Desde 2004, o publicou diminuiu pela metade e seu último filme em 2007, Xuxa em Sonho de Menina, fez míseros 309.174 de espectadores.

Isso quer dizer que eu acredito que filme só é bom se tem bilheteria gigantesca e leva milhões ao cinema? Não. Mas ninguém pode acusar a Xuxa de ter feito alguma obra-prima, portanto, se ela não consegue mais levar nem seu público ao cinema... Vamos ao que interessa.

Amargado o fracasso e há um ano sem lançar nada, Maria da Graça Meneghel volta aos cinemas com Xuxa em O Mistério de Feiurinha, baseado livremente no livro de Pedro Bandeira.

Depois de seus finais felizes de contos de fadas, Cinderela (Xuxa), Branca de Neve (Daniele Valente), Bela (Lavínia Vlasak), Bela Adormecida (Simone Soares), Rapunzel (Angélica) vivem numa terra encantada, casadas com seus príncipes, todos filhos da Rainha Mãe (Hebe Camargo). A única solteirona é Chapeuzinho Vermelho (Samantha Schmutz) que vive frustrada numa terra onde não há mais pretendentes.

A narrativa começa cheia de piadinhas fazendo referências às histórias de cada princesa até que alguma coisa abala a tranquilidade daquele reino e suas banalidades cotidianas. Uma princesa desapareceu, Feiurinha (Sasha Meneghel), mas ninguém sabe o que fazer ou se lembra de sua história. Eis a chave do mistério.

Alguém deve ir para o mundo real encontrar um escritor para que se conheçam quem é Feiurinha e, assim, resgatar a princesa de seu trágico destino. E então, quando a ação do filme deveria engatar, desanda. A fraca direção de Tizuka Yamazaki reforça em imagens uma sucessão de clichês, diálogos óbvios e repetições de bordões como “princesas unidas jamais serão vencidas”.

Não há respiro, sempre tem alguém falando, de preferência em close e tom histérico. Como se isso já não fosse um recurso pobre, as princesas já não estão mais na flor da idade. As cenas de ação são fracas e a única justificativa para o escritor viver num navio é alguma exigência de patrocinador.

Voltando ao Xuxa em O Mistério de Feiurinha, não posso deixar de comentar uma cena que me indignou: a passagem de Cinderela por um portal para o mundo real é uma cópia descarada de Encantada. As atuações são medíocres, não há muito o que dizer: Xuxa é sempre a mesma coisa; a estreante Sasha tenta, mas por sorte seu papel é pequeno e não faz muita diferença se ela é ruim ou não; mas Luciano Szafir dá vergonha. A única exceção fica por conta de Zezé Motta, que é uma atriz de tanto talento que mesmo no pequeno papel de assistente do escritor,consegue iluminar, em cena, até este pobre filme.

Os fãs da “Rainha dos Baixinhos” sempre reclamam que os críticos assistem aos filmes em sessões que só tem crítico e, por isso, não veem a menor graça. Mas desta vez, o argumento não é válido. Para escrever sobre o filme, os jornalistas tiveram que assistir Xuxa em O Mistério de Feiurinha numa pré-estreia lotada de crianças, meninas vestidas de princesas e pais. A plateia estava bastante animada antes do longa começar, mas não se manifestou durante o filme, nem ovacionou quando acabou. E sinceramente, assistir numa sala lotada de crianças não faz a menor diferença quando o filme é ruim.

Prêmios e Indicações


» Em 2010, foi indicado ao Cinema Brazil Grande Prize de Melhor Filme Infantil

COMENTAR

comments powered by Disqus

CURIOSIDADES

Cerca de 6 mil candidatos se inscreveram no concurso que definiu Bernardo Mesquita como o príncipe do filme
Baseado na história do livro infantil homônimo do escritor Pedro Bandeira
Mais 1,9 milhões de pessoas assistiram o filme nos cinemas
Parceiro R7