15 ANOS E MEIO

15 ANOS E MEIO

(15 ans et Demi)

2008 , 97 MIN.

14 anos

Gênero: Comédia

Estréia: 09/07/2010

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • François Desagnat, Thomas Sorriaux

    Equipe técnica

    Roteiro: François Desagnat, Romain Protat, Thomas Sorriaux

    Produção: Luc Bossi, Patrice Ledoux

    Estúdio: Gaumont

    Distribuidora: Pandora Filmes

    Elenco

    Benjamin Siksou, Canis Crevillen, Coura Traoré, Daniel Auteuil, Elise Larnicol, François Berléand, François Damiens, Julie Ferrier, Juliette Lamboley, Lionel Abelanski, Sara Mortensen

  • Crítica

    01/07/2010 20h23

    15 Anos e Meio é mais um filme a se dedicar a uma jornada de transformação de um personagem que começa o filme desconhecendo algo (no caso, o amor) e passa a toda a história buscando mudar sua trajetória.

    O longa-metragem da dupla francesa François Desagnat e Thomas Sorriaux começa impressionantemente chato e esquemático. Depois de sofrer para apresentar os personagens e seus dilemas, a comédia finalmente consegue sair da pista de vôo. Não chega a decolar soberano, mas tem lá suas sacadas.

    Philippe Le Tallec (interpretado pelo incansável Daniel Auteuil) é um homem que divide sua vida em esferas. Na profissional, é um cientista reconhecido. Na pessoal, um desastre. Depois de ganhar um prêmio, ele decide voltar à França e passar três meses com Eglantine (a simpática Juliette Lamboley), a filha adolescente que justifica o título em português.

    Ponto. É aí que o filme se concentra: no aprendizado tanto do pai tentando aprender o que é ser, de fato, pai, e da filha que tem de conviver com essa figura estranha. Sempre no tempo cômico.

    15 Anos e Meio fala de tipos, mas também encontra um espaço para ironizá-los. O professor de auto-ajuda paternal também comete seus deslizes com a própria filha, o bonitão da escola revela-se como um péssimo beijador, o ex-amigo drogado torna-se uma bem-vinda ajuda a Philippe, e por aí vai.

    15 Anos e Meio não suscita muitas emoções. Mesmo assim, durante os risos, me ocorreu como os franceses gostam de tratar a rebeldia juvenil em relação aos pais. Mais de 50 anos separam essa comédia de Os Incompreendidos e, mesmo que os filmes tenham diferenças de gênero, de proposta e de momento histórico, há um ponto de diálogo especialmente pelo foco no jovem dizendo “não” a autoridade familiar estabelecida.

    Paralelos à parte, François Desagnat e Thomas Sorriaux queriam fazer um retrato divertido e fácil sobre adolescência e relação entre pais e filhos. Conseguiram, mas pára por aí. Com uma observação: Daniel Auteuil é um ator que está sempre à vontade, seja em comédias simples como 15 Anos e Meio ou Dois em Um, seja em dramas de fôlego, como Caché e Pintar ou Fazer Amor.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus