9 - A SALVAÇÃO

9 - A SALVAÇÃO

(9)

2009 , 79 MIN.

10 anos

Gênero: Animação

Estréia: 09/10/2009

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Shane Acker

    Equipe técnica

    Roteiro: Pamela Pettler, Shane Acker

    Produção: Dana Ginsburg, Jim Lemley, Jinko Gotoh, Tim Burton, Timur Bekmambetov

    Trilha Sonora: Deborah Lurie

    Estúdio: Focus Features, Starz Animation

    Distribuidora: PlayArte

    Elenco

    Christopher Plummer, Crispin Glover, Elijah Wood, Jennifer Connelly, John C. Reilly, Martin Landau

  • Crítica

    11/10/2009 17h00

    Em 2004, Shane Acker fez um curta-metragem chamado 9 como estudante da UCLA (Universidade da Califórnia, Los Angeles), na qual formou-se em Arquitetura e Urbanismo e Animação. Além de vários prêmios em festivais universitários, o curta foi exibido no Festival de Sundance de 2005, a grande vitrine dos filmes independentes, e indicado ao Oscar de Melhor Curta-Metragem em 2006.

    Num futuro pós-apocalíptico e sem seres humanos, número 9 é um boneco de pano que ganha vida. De personalidade curiosa e destemida, ele vaga por destroços da civilização que desconhece. Sem saber sua motivações, seguimos sua trajetória e descobertas neste lugar inóspito numa narrativa sem palavras, com belíssimo design de som. Ao encontrar 5, descobrimos que há outros, mas não os conhecemos. Ficamos apreensivos com a revelação de um monstro gigante de metal que os persegue e muito instigados em saber o porquê da intensa luz verde que pisca é tão importante para o desfecho.

    Os poucos mais de dez minutos sem diálogos deixam no espectador uma sensação de devastação. A intensidade da trama e a construção narrativa do curta de Shane Acker despertaram grande interesse e a proposta de adaptar o pequeno 9 em um longa-metragem surgiu de um dos mais cultuados animadores e diretores da atualidade, Tim Burton ( Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet), e de Timur Bekmambetov (O Procurado), que assinam a produção de 9 – A Salvação.

    Toda esta explicação foi para dizer que a expectativa em relação ao projeto foi grande. E colaborou para aumentar ainda mais a entrada de nomes de peso da animação e do elenco de vozes estrelar - 9 é dublado por Elijah Wood (o Frodo da trilogia O Senhor dos Anéis), número 1 por Christopher Plummer (Um Amor Para Toda a Vida), número 7 por Jennifer Connelly (Ele Não Está Tão A Fim de Você), para citar alguns. O orçamento foi de US$ 30 milhões, significativo para o primeiro longa do diretor.

    Um dos aspectos que mais salta aos olhos, que deve agradar aos fãs de animação e, pessoalmente, foi um grande deleite, é o aprimoramento visual dos cenários e dos bonecos em 9 – A Salvação, muito mais complexos e detalhados. A visão estética proposta por Acker no curta é mantida, mas cresce com a experiência e, sem dúvida, com a influência do universo dark de Tim Burton. Um casamento feliz e bem-vindo.

    A trama estendida mantém a essência dos acontecimentos de 9, mas revela mais daquele mundo, como o misterioso procedimento de dar vida a bonecos de pano. Pelos passos e olhos do pequenino 9 é divertido e tenso acompanhar suas descobertas do mundo ao redor. As novas situações desvelam aos poucos quem são os outros oito bonecos, suas características e personalidades, os conflitos da história e seu maior desafio, derrotar A Grande Máquina.

    Há ótimos momentos de ação e também singelos, como o grupo se divertindo ao som de Somewhere Over the Rainbow, interpretada por Judy Garland numa citação ao O Mágico de Oz. A bela cena é um claro indício de que depois da tempestade vem a calmaria... e que o que vem pela frente é mais tempestade. O roteiro de Pamela Pletter (corroteirista de A Noiva-Cadáver) e a direção escorregam lá pela metade do filme. A tensão dos conflitos perde força nos diálogos fracos, muito explicativos e no tom politicamente correto demais.

    A consequência mais imediata é a sensação de que o filme está se perdendo dentro dele mesmo. Infantiliza-se (o sentido aqui é de ficar bobo, sem qualquer demérito às crianças que são muito mais espertas do que nós) ao tentar explicar em palavras um lugar onde o espectador poderia chegar sozinho sensorialmente. Ao optar pelo “caminho mais fácil” para resolver o roteiro, chega-se num final já esperado.

    De início, não se estabelece uma relação óbvia com Wall-E (2008), mas pode-se dizer que 9 – A Salvação propõe, consciente ou inconscientemente, algumas reflexões parecidas sobre o rumo da humanidade apresentadas no filme do robozinho da Pixar. Nada contra, mas com a proximidade de uma produção da outra fica patente a falta de uma certa ousadia ou a sensação de “eu já vi isso antes”, que me incomodou.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus