A CIDADE ESTÁ TRANQÜILA

A CIDADE ESTÁ TRANQÜILA

(La Ville Est Traquille)

2000 , 133 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Robert Guédiguian

    Equipe técnica

    Roteiro: Jean-Louis Milesi, Robert Guédiguian

    Produção: Bruno Ghariani, Michel Saint-Jean, Robert Guédiguian

    Fotografia: Bernard Cavalié

    Estúdio: Diaphana Films

    Elenco

    Alexandre OGou, Ariane Ascaride, Christine Brucher, Gérard Meylan, Jacques Boudet Pascale Roberts, Jean-Pierre Darroussin, Julie-Marie Parmentier, Pierre Banderet

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Sim, como diz o título do filme, a cidade está tranqüila. Mas seus habitantes estão desesperados. Um grupo de extrema direita autodenominado "Preferência Nacional" destila ódio e violência contra os imigrantes. Um motorista de táxi endivida-se até o pescoço com seu novo carro. À beira da loucura, uma mãe se prostitui para pagar as drogas da própria filha. São pequenos dramas cotidianos que acontecem no microcosmo da cidade de Marselha, mas que se repetem e se multiplicam em qualquer outro canto do planeta.

    Aos poucos, sob a competente batuta do diretor Robert Guédiguiam (nascido em Marselha), as histórias poderão ou não se entrelaçar, poderão ou não ser resolvidas, sem as fórmulas fáceis consagradas pela estética norte-americana. Sobrevivência, globalização, racismo, desespero, desamor, vários temas e subtemas - individuais e sociais - são discutidos pelo filme de forma clara e direta. Sem panfletarismo. A Cidade Está Tranqüila mostra como cada um destes assuntos atinge diretamente as nossas vidas. Ou atingirá, mais cedo ou mais tarde.

    De narrativa crua, quase documental, o filme consegue respirar um leve ar de otimismo em seu final, quando um jovem refugiado da Geórgia (exatamente o primeiro personagem que aparece em cena) consegue finalmente realizar seu sonho musical entre os cortiços da cidade. Otimismo ou cinismo? Afinal, vale lembrar que o próprio título do filme já é uma declaração de sarcasmo pelas lentes de Guédiguiam.

    O diretor, de fama internacional, ainda é pouco conhecido no Brasil. Ele já roteirizou e dirigiu Dernier Été, Rouge Midi, Ki lo Sa?, Dieu Vomit le Tièdes, L´Argent Fait le Bonheur, À la Vie, à la Mort!, Marius e Jeanette, À la Place du Coeur e À L´Attaque!, produções que não alcançaram o nosso circuito comercial.

    A Cidade Está Tranqüila ganhou o prêmio da crítica da European Film Academy, uma espécie de Oscar da Europa.

    6 de fevereiro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus