A INQUILINA

A INQUILINA

(The Resident)

2010 , 91 MIN.

14 anos

Gênero: Suspense

Estréia: 22/07/2011

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Antti Jokinen

    Equipe técnica

    Roteiro: Antti Jokinen, Erin Cressida Wilson, Robert Orr

    Produção: Cary Brokaw, Guy East, Nigel Sinclair, Simon Oakes

    Fotografia: Guillermo Navarro

    Trilha Sonora: John Ottman

    Estúdio: Hammer Film Productions

    Distribuidora: Paris Filmes

    Elenco

    Alexandria Morrow, Christopher Lee, Hilary Swank, Jeffrey Dean Morgan, Kisha Sierra, Lee Pace, Michael Massee, Michael Showers, Penny Balfour

  • Crítica

    19/07/2011 17h20

    Mulher solteira procura apartamento para alugar em Nova York. Com certeza, uma tarefa nada fácil, principalmente para quem está com o orçamento meio limitado. Por isso, a solitária médica Juliet (Hilary Swank) fica mais do que feliz ao conseguir um belo loft no Brooklyn, por um preço bem abaixo do mercado. Ela só se esqueceu que, como se diz em Manhattan, “When the charity is overwhelming, even a saint doubts it “.

    Com estilo, fotografia caprichada e direção de arte elegante, A Inquilina começa com força suficiente para prender a atenção do espectador. Usa e às vezes abusa de referências hitchcockianas (como a mulher sendo observada no banheiro através de buracos nas paredes, no melhor estilo Psicose), tem bom ritmo, e trabalha com um elenco competente e eficiente. Incluindo Hilary Swank (também produtora executiva) e Jeffrey Dean Morgan (de P.S. Eu Te Amo) num momento meio Javier Barden. Com direito à participação de Christopher Lee, um dos mais populares Dráculas do cinema.

    Porém, por mais que a boa direção do finlandês Antti Jokinnen, estreando no longa, se esforce (e ela se esforça), chega um momento em que não é mais possível esconder a extrema fragilidade de um roteiro mais do que convencional. No terço final, o filme desanda por completo, descambando para a correria gratuita e para e os previsíveis finais falsos, tudo insuportavelmente igual aos piores filmes do gênero. Um desperdício.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus