A MÃO DO DIABO

A MÃO DO DIABO

(Frailty)

2001 , 100 MIN.

16 anos

Gênero: Suspense

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Bill Paxton

    Equipe técnica

    Roteiro: Brent Hanley

    Produção: Corey Sienega, David Blocker, David Kirschner

    Fotografia: Bill Butler

    Trilha Sonora: Brian Tyler

    Elenco

    Bill Paxton, Jeremy Sumpter, Levi Kreis, Luke Askew, Matthew McConaughey, Matthew O'Leary, Powers Boothe

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Surpreendente estréia do ator Bill Paxton (Twister, Apollo 13, Titanic) na direção de longas: com um ótimo clima de suspense e envolvimento, A Mão do Diabo conta uma terrível história de loucura e fanatismo religioso. Tudo começa numa noite chuvosa, quando o estranho Adam (Matthew McConaughey, de Reino de Fogo) vai à polícia para dizer ao agente Wesley (Powers Boothe, canastrão como sempre) que conhece a identidade do famoso serial killer conhecido como "A Mão de Deus": ele seria ninguém menos que seu próprio irmão. Desconfiado, o agente quer saber como o rapaz tem esta informação. A partir daí, Adam conta a perturbadora história de sua família e de sua infância num longo e intrigante flashback.

    Ajudado por um bom roteiro (ainda que não totalmente surpreendente), Bill Paxton se mostra eficiente nas artes de prender a atenção da platéia, de criar um clima de mistério e terror, e também na de dirigir crianças: os jovens Matt O'Leary e Jeremy Sumpter estão ótimos em seus (bem difíceis) papéis. Filmado em apenas 37 dias e com relativamente apertados 11 milhões de dólares, A Mão do Diabo comprova que um bom thriller não precisa, necessariamente, de grandes astros, nem de grandes orçamentos, muito menos de grandes malabarismos visuais e técnicos. Como Hitchcock já provou tantas vezes.

    7 de novembro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus