A MULHER DO MEU IRMÃO

A MULHER DO MEU IRMÃO

(La Mujer de Mi Hermano)

2005 , 90 MIN.

16 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Ricardo de Montreuil

    Equipe técnica

    Roteiro: Jaime Bayly

    Produção: Carola Carter, Stan Jakubowicz

    Fotografia: Andres Sanches

    Trilha Sonora: Angelo Milli

    Estúdio: Shallow Entertainment

    Elenco

    Angélica Aragón, Bárbara Mori, Beto Cuevas, Bruno Bichir, Christian Meier, Gaby Espino, Manolo Cardona

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    O que parece ser mais um roteiro sobre triângulos amorosos, A Mulher do Meu Irmão consegue driblar os clichês com um desfecho surpreendente, digno de Nelson Rodrigues. Baseado no romance homônimo de Jaime Bayly - também roteirista do longa -, o filme é uma produção mexicana dirigida pelo novato Ricardo Montreuil. Ele é conhecido por seus trabalhos na MTV Latina, por produzir videoclipes. Assim como o restante de sua equipe, Montreuil tem vasta experiência em televisão e campanhas publicitárias.

    A Mulher do Meu Irmão mostra a história de Zoe (Bárbara Mori), casada com Ignácio (Christian Meier) e infeliz com sua vida, principalmente sexual. Apesar das frustrações, ela sonha em ter um filho, mas seu marido é estéril. Após dez anos tentando superar a vida metódica e a ausência de Ignácio, Zoe começa a conversar e se aproximar de seu cunhado Gonzalo (Manolo Cardona) que, além de ser o oposto de seu irmão, costuma viver todos os prazeres da vida sem medir as conseqüências, nem se apegar a ninguém. A protagonista reluta muito em se entregar, mas acaba vivendo um caso com seu cunhado e encontra nele o que jamais teve com seu marido Ignácio.

    No novo relacionamento, Zoe sente-se realizada, mas não é tão simples assim. Um fato inesperado muda o que seria um final feliz e faz com que surpreendentes segredos venham à tona. A Mulher do Meu Irmão é uma trama repleta de sentimentos, traições, hipocrisia e desejo. O filme libera emoções guardadas no íntimo de cada ser humano, em alguns mais reprimidas do que em outros.

    O medo de que fosse uma novela no estilo mexicano era inevitável. Pois além da equipe ter um currículo predominantemente televisivo, a atriz Bárbara Mori é conhecida por sua personagem Rubi em uma telenovela da Televisa, assim como o restante do elenco principal que também já fez sucesso nos dramalhões do país. Porém, em A Mulher do Meu Irmão, as atuações fogem completamente desse tipo de estereótipo. Em vez dos dramas escrachados e exagerados, encontramos uma interpretação mais introspectiva, fazendo o espectador - com a ajuda de enquadramentos fechados - aproximar-se dos personagens e sentir cada emoção deles. Destaque para Bruno Bichir que interpreta Boris, o melhor amigo e alter ego de Zoe. O ator traz um humor delicado, necessário ao personagem, sem quebrar o ritmo dramático do filme.

    A Mulher do Meu Irmão, em sua estréia no México, conseguiu levar mais de 600 mil espectadores aos cinemas, que, com certeza, puderam entender as diversas formas de amar uma pessoa e ser feliz. Um filme reflexivo para ser visto mais de uma vez e em cada momento romper um preconceito diferente.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus