A RAINHA

A RAINHA

(The Queen)

2006 , 97 MIN.

16 anos

Gênero: Drama

Estréia: 09/02/2007

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Stephen Frears

    Equipe técnica

    Roteiro: Peter Morgan

    Produção: Andy Harries, Christine Langan, Tracey Seaward

    Fotografia: Affonso Beato

    Trilha Sonora: Alexandre Desplat

    Elenco

    Alex Jenningsm Roger Allam, Amanda Hadingue, Anthony Debaeck, Dash Barber, Dolina MacLennan, Douglas Reith, Earl Cameron, Elliot Levey, Emmy Lou Harries, Gray O'Brien, Harry Alexander Coath, Helen McCrory, Helen Mirren, Jake Taylor Shantos, James Cromwell, John McGlynn, Joyce Henderson, Julian Firth, Kananu Kirimi, Laurence Burg, Lola Peploe, Malou Beauvoir, Mark Bazeley, Michael Sheen, Michel Gay, Pat Laffan, Paul Barrett, Robin Soans, Susan Hitch, Sylvia Syms, Tim McMullan, Wolfgang Pissors, Xavier Castano

  • Crítica

    09/02/2007 00h00

    O longa A Rainha nos coloca dentro dos bastidores de uma das maiores tragédias britânicas - a morte da princesa Diana - que, além de ter sensibilizado o mundo inteiro, fez a imprensa questionar sobre o limite que se pode chegar para conseguir um furo de reportagem. Porém, esse ambiente é apenas o pano de fundo para o foco deste brilhante roteiro escrito por Peter Morgan, que está se destacando no mundo do cinema com grandes obras como O Último Rei da Escócia. A Rainha mostra que a figura mais forte e autoritária da Inglaterra também pode ter seus momentos de fraqueza e insegurança.

    Com um toque de humor sarcástico, característico aos britânicos, o filme retrata o drama vivido pela família real britânica, representada pela figura imponente da rainha Elizabeth II (a vencedora do Globo de Ouro Helen Mirren), após a morte da princesa Diana. A família real está de férias no castelo Balmoral, na Escócia, e se recusa a retornar para o palácio de Buckingham, na Inglaterra. O povo está chocado com a tragédia e a indiferença demonstrada por sua rainha não transmite nenhum sentimento pela perda. A soberana terá de lutar contra velhas tradições reais e bloqueios pessoais para não perder o carinho de seu povo.

    O primeiro-ministro Tony Blair (Michael Sheen), recém-eleito na época da tragédia, é um personagem de grande destaque, não só no longa como também no período histórico representado, já que A Rainha é baseado em fatos reais. Ele terá a difícil missão de mudar a visão da rainha, que não aceita as divergentes e modernas opiniões de Blair, principalmente em relação às providências que devem ser tomadas para o funeral de Lady Di. Ambos irão aprender e mudar muito um com o outro.

    Helen Mirren (O Sol da Meia-Noite) está espetacular como Elizabeth II, uma verdadeira rainha na arte da interpretação. Sendo digna de todos os prêmios que tem recebido pelo convincente trabalho que realizou, sua atuação em A Rainha é tão grandiosa que quase ofusca o talento também notável de Michael Sheen (Anjos da Noite).

    O longo é repleto de grandes destaques, mas não se pode deixar de citar sua belíssima fotografia. Sob o comando da batuta experiente e segura do cineasta Stephen Frears (Alta Fidelidade), cada elemento é regido como uma orquestra. O figurino impecável, as cores vivas e fortes, os enquadramentos precisos aproximam o espectador, fazendo-o vivenciar cada sensação do trágico momento da família real britânica.

    O filme mistura cenas de ficção a imagens de arquivo da época, mas isso é feito de uma forma imperceptível, mesclando-se ao enredo por meio de uma edição exemplar. O argumento poderia ter seguido por diversos caminhos comuns e ter se transformado em um documentário monótono e repetitivo. Por essa razão, A Rainha é, no mínimo, surpreendente, encantador e envolvente, pois foge de tudo que é esperado em um filme com um enredo histórico e inserções de imagens reais.

    Em uma produção como A Rainha, a pesquisa e a veracidade dos fatos são imprescindíveis para que não haja censura por parte dos envolvidos ou, até mesmo, uma repulsa por parte do público. Para isso, o roteirista Morgan recebeu o apoio de uma equipe liderada por Robert Lacey, um jornalista respeitado pela família real e autor de diversos livros sobre o assunto.

    A Rainha já possui em seu currículo inúmeros prêmios que tendem a crescer com a aproximação do Oscar, no qual está sendo indicado a Melhor Filme, Atriz, Diretor, Figurino, Roteiro Original e Trilha Sonora. É o reconhecimento de um projeto que consegue unir emoção, arte e profissionalismo a uma ambiciosa produção cinematográfica.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus