A ÚLTIMA FORTALEZA

A ÚLTIMA FORTALEZA

(The Last Castle)

2001 , 131 MIN.

Gênero: Ação

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Rod Lurie

    Equipe técnica

    Roteiro: David Scarpa, Graham Yost

    Produção: Robert Lawrence

    Fotografia: Shelly Johnson

    Trilha Sonora: Jerry Goldsmith

    Estúdio: DreamWorks SKG

    Elenco

    Clifton Collins, Delroy Lindo, James Gandolfini, Mark Ruffalo, Robert Redford, Robin Wright Penn

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    A paranóia da United International Pictures em esconder seus filmes da imprensa chega a níveis tão alarmantes que agora a empresa está negando aos jornalistas o direito de assistir com antecedência até a filmes que não são considerados ruins. É o caso de A Última Fortaleza, drama dirigido pelo ex-crítico de cinema Rodie Lurie (o mesmo de A Conspiração), com Robert Redford no papel principal.

    A UIP não realizou sessões prévias deste filme para os jornalistas, mas tive a chance de vê-lo em DVD importado. E posso garantir duas coisas: o filme não é dos piores. E os atendentes da videolocadora foram unânimes em afirmar que ele faz muito sucesso entre seus clientes. Escondê-lo da imprensa é, portanto, uma grande bobagem.

    A trama se centraliza no tenente-general Eugene Irwin (papel de Redford), transferido para um presídio de segurança máxima após ser julgado por uma Corte Marcial. A enorme casa de detenção é administrada com mão de ferro e completo despotismo pelo coronel Winter, vivido pelo ótimo James Gandolfini, de A Mexicana e O Homem Que Não Estava Lá. Não demora muito para que Eugene se revolte com a situação e passe a comandar uma grande rebelião contra as atrocidades e os maus tratos cometidos no lugar.

    A Última Fortaleza sofre, sim, de uma certa falta de criatividade, ao esbarrar constantemente nos clássicos clichês dos chamados “filmes de cadeia”. Mas é inegável que ele tem uma força dramática atraente, na medida em que promove um cabo-de-guerra psicológico entre dois homens de personalidades fortes. Um, protegido pelas grades de um sistema penal injusto. E o outro, com quase nada a perder, consegue manter seus ideais acima de tudo, sejam quais forem as circunstâncias.

    Claro, há as tradicionais patriotadas de praxe e as convencionais mensagens edificantes. Afinal, A Última Fortaleza foi produzido dentro dos rígidos padrões convencionais do cinemão americano. Mas não se trata, com certeza, do grande fiasco anunciado pelas bilheterias dos EUA, onde o filme faturou apenas US$ 18 milhões, menos de um terço de seu custo. Lançado pouco depois dos atentados de 11 de setembro, A Última Fortaleza teve sua carreira comercial prejudicada por um momento histórico em que os americanos não sabiam muito bem como encarar histórias onde a bandeira dos EUA corre o risco de ser pendurada de cabeça pra baixo (é um dos pontos cruciais do filme).

    Esqueça o preconceito, esqueça a UIP e assista.

    3 de junho de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus