A ÚLTIMA MÚSICA

A ÚLTIMA MÚSICA

(The Last Song)

2010 , 107 MIN.

10 anos

Gênero: Drama

Estréia: 11/06/2010

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Julie Anne Robinson

    Equipe técnica

    Roteiro: Jeff Van Wie, Nicholas Sparks

    Produção: Adam Shankman, Jennifer Gibgot

    Fotografia: John Lindley

    Trilha Sonora: Aaron Zigman

    Estúdio: Offspring Entertainment, Touchstone Pictures

    Distribuidora: Buena Vista Home Entertainment

    Elenco

    Adam Barnett, Anthony Paderewski, April Moore, Bobby Coleman, Bonnie Johnson, Carly Chaikin, Carrie Malabre, Greg Kinnear, Hallock Beals, Kate Vernon, Kelly Preston, Lance E. Nichols, Liam Hemsworth, Melissa Ordway, Michael Jamorski, Miley Cyrus, Nick Lashaway, Nick Searcy, Phil Parham, Rhoda Griffis, Stephanie Leigh Schlund, Todd Smith

  • Crítica

    10/06/2010 19h12

    Hollywood anda encantada com os livros de Nicholas Sparks. Suas histórias já deram origens aos filmes Querido John, Noites de Tormenta, Diário de uma Paixão e Um Amor Para Recordar. Agora, é a vez de A Última Música.

    O tom deste longa protagonizado pela estrela adolescente Miley Cirus é o mesmo. Emoção, jornada de transformação do herói, novas portas de diálogos abertas. Histórias ambientadas em bonitas e “inocentes” cidades pequenas dos Estados Unidos.

    O problema das versões cinematográficas dos livros Sparks geralmente recai sobre as costas do diretor. Todos têm o costume de pegar uma história que trabalha o sentimento e puxar ao máximo essa característica, com direito a repetir diversos clichês.

    Em A Última Música, Ronnie (Miley) é uma adolescente urbana que vai passar o verão com seu pai ausente, Steve Miller (Greg Kinnear), em uma pequena cidade sulista. A música é única conexão entre pai e filha e, talvez, a última chance para diminuir o abismo entre eles.

    Existe uma lista extensa de filmes sobre redenção bem superiores a este. Atuações sem brilhantismo e direção discreta, A Última Música é mais um produto vindo da mesma fôrma de produção. Trocam-se apenas a estrela, a locação a direção. A essência, a estrutura e a mensagem são sempre as mesmas. Simplesmente irritante essa sequência de filmes idênticos.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus