ABAIXO O AMOR

ABAIXO O AMOR

(Down With Love)

2003 , 94 MIN.

12 anos

Gênero: Comédia Romântica

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Peyton Reed

    Equipe técnica

    Roteiro: Dennis Drake, Eve Ahlert

    Produção: Bruce Cohen, Dan Jinks

    Fotografia: Jeff Cronenweth

    Trilha Sonora: Marc Shaiman

    Elenco

    David Hyde Pierce, Ewan McGregor, Renée Zellweger, Sarah Paulson, Tony Randall

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Existem filmes que nos prendem muito mais pela forma como contam a sua história do que pelo conteúdo propriamente dito. É o caso deste delicioso Abaixo o Amor, uma comédia romântica que passaria despercebida não fosse o seu grande apelo estilístico: tudo, absolutamente tudo, se passa diante dos nossos olhos como se estivéssemos vendo aquelas antigas comédias dos anos 60, estreladas por Rock Hudson e Doris Day.

    Cores, direção de arte, desenho animado nos créditos iniciais, cenários, figurinos, narrativa, trilha sonora (impecável, assinada por Marc Shaiman), tudo nos remete aos antigos filmes estilo Sessão da Tarde. Repare que até a empostação de voz dos atores - mais alta e teatral do que se faz hoje em dia - nos remete aos anos 60. Trata-se de uma verdadeira viagem no tempo que nos faz rir e sonhar junto aos protagonistas.

    A história é o que menos importa, mas mesmo assim lá vai: Bárbara Novak (Renée Zellweger, de O Diário de Bridget Jones) é uma escritora interiorana que consegue publicar um best-seller de gigantesca aceitação popular: o livro "Abaixo o Amor", que convoca todas as mulheres do mundo a uma revolução sexual de costumes e total independência dos homens. Faz parte de seu esquema de divulgação publicitária conseguir uma entrevista na famosa revista comandada por Catcher Block (Ewan McGregor, de Star Wars - Episódio I), provavelmente o jornalista mais machista de Nova York. Ou do mundo. É óbvio que a princípio ambos se odiarão, para depois se apaixonarem. Não importa a previsibilidade do roteiro. Mesmo porque ele nem foi escrito para ser diferente e criativo, mas sim para homenagear (e satirizar) as antigas comédias ingênuas da época. O que importa mesmo é que o filme é uma delícia, apostando suas fichas na nostalgia de um período em que as torres gêmeas sequer existiam em Nova York, numa época em que tudo parecia mais simples.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus