ABSOLUTAMENTE LOS ANGELES

ABSOLUTAMENTE LOS ANGELES

(Los Angeles Without a Map)

1998 , 107 MIN.

14 anos

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Mika Kaurismäki

    Equipe técnica

    Roteiro: Mika Kaurismäki, Richard Rayner

    Produção: Julie Baines, Pierre Assouline, Sarah Daniel

    Fotografia: Michel Amathieu

    Trilha Sonora: Sebastien Cortella, The Leningrad Cowboys

    Elenco

    Amanda Plummer, Anouk Aimée, Cameron Bancroft, David Tennant, Jame Le Gros, Johnny Depp, Julie Delpy, Saskia Reeves, Vicent Gallo, Vinessa Shaw

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Mika Kaurimaski nasceu na Finlândia. Conseguiu financiamentos franceses, ingleses e mesmo finlandeses para filmar seu décimo oitavo longa-metragem que – quem diria - se passa nos Estados Unidos e fala de um personagem escocês. Quer mais? Mika mora no Rio de Janeiro. Esta verdadeira salada mista multinacional originou o filme Absolutamente Los Angeles, comédia romântica de 1998 que só agora chega aos nossos cinemas.

    A história até que começa bem, mostrando a atração imediata que a bela turista americana Barbara (Vinessa Shaw) exerce sobre Richard (David Tennant), um agente funerário escocês que mora na Inglaterra. Os dois se conhecem num cemitério inglês e – pelo menos para ele – é amor à primeira vista. Depois que Barbara volta para casa, David fica obcecado, e acaba viajando até os EUA em busca da suposta amada. É na esquisita Los Angeles que o certinho e careta rapaz britânico vai viver um choque cultural... e é aí que o filme começa a derrapar.
    O roteiro – que sinalizava para uma sátira sobre as eternas diferenças América/Europa – perde a consistência, fica girando em cima de fatos desinteressantes, e passa mais de 100 minutos sem dizer a que veio. As pequenas participações especiais de Anouk Aimée e Johnny Depp, assim como o próprio filme em si, também são totalmente descartáveis.
    Absolutamente Los Angeles não chega a ser nem ruim, nem desagradável, nem mal feito, nada disso. Ele é apenas sem sal: como comédia, não faz rir; como sátira, não traz novidades; como romance, não emociona.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus