ALGO QUE VOCÊ PRECISA SABER

ALGO QUE VOCÊ PRECISA SABER

(Quelque Chose à te Dire)

2009 , 100 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia: 02/10/2009

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Cécile Telerman

    Equipe técnica

    Roteiro: Cécile Telerman, Jérôme Soubeyrand

    Produção: Cécile Telerman, Yann Gilbert

    Fotografia: Robert Alazraki

    Trilha Sonora: Jacques Davidovici

    Estúdio: Canal+

    Distribuidora: Imovision

    Elenco

    Charlotte Rampling, Gwendoline Hamon, Jérôme Soubeyrand, Laurent Olmedo, Mathilde Seigner, Nathalie Cerda, Olivier Marchal, Pascal Elbé, Patrick Chesnais, Sophie Cattani

  • Crítica

    29/09/2009 15h46

    Dizem que os ingleses são tão mal humorados quanto os franceses. A diferença é que o inglês sabe rir do seu próprio mau humor, coisa que o francês não é capaz. Ou não era, se depender do filme Algo que Você Precisa Saber. Destilando doses nada homeopáticas de sarcasmo e ironia, Algo que Você Precisa Saber é nada menos que demolidor.

    E quando se fala em sarcasmo, ironia e demolição, o tema não poderia ser outro: a família. No caso, a família Cellier, comandada pela matriarca Mady (Charlotte Rampling), um poço profundo de maldade e maledicência que não poupa nada nem ninguém. Muito menos suas duas filhas e Henri (Patrick Chesnais), seu marido aposentado. Mady é o centro causador e difusor de rancores familiares há décadas, entalados nas gargantas de todos. Seu contraponto é a filha mais velha, Alice (Mathilde Seigner), artista plástica que desafia a falsa postura aristocrática da mãe pintando arte contemporânea e dormindo com quem quer que seja. Não é por acaso que a exposição mais recente de Alice seja uma coleção de quadros nos quais a Virgem Maria (Mãe) assume as mais bizarras feições.

    Porém, as mazelas dos Cellier não se restringem a Mady e Alice. Longe disso. Sem entrar no detalhe que o filho faliu com as empresas do pai e esconde isso a qualquer custo, a filha mais nova, a enfermeira Annabelle (Sophie Cattani), também tem seus segredos. Mas tudo despenca mesmo quando um antigo fantasma do passado vem à tona, virando de pernas para o ar não só a família, como o próprio filme, que cada vez mais vai se transformando num folhetim de quinta categoria, sem medo de ser ridículo, e escancarando deliciosamente o tom de deboche.

    As situações e os diálogos são ferinamente saborosos. Em determinada cena, por exemplo, Mady elogia rasgadamente o comportamento de dois filhos de uma amiga sua, “tão educados, tão calados, tão respeitosos com os mais velhos”. Até que alguém alerta: “É porque eles são surdos-mudos, você não sabia?” Mady nem se abala. Dá de ombros e rebate rapidamente: “Cada um tem sua cruz, não é?” Só faltou a legenda em português traduzir como “cada um com seus ‘pobrema’”. Em outro momento, Henri, ao telefone, esbraveja: “Minha filha vendendo drogas? Isso é impossível! Ela é artista plástica: incapaz de vender qualquer coisa!”. E mais: “Eu nunca vi ninguém tão mau caráter como você”. Resposta: “É porque você anda saindo pouco”.

    Urbana, ágil e ferina, Algo que Você Precisa Saber é uma comédia dramática com toques novelescos que exige de seu espectador apenas o esforço de não levá-la a sério.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus