AMERICAN ULTRA: ARMADOS E ALUCINADOS

AMERICAN ULTRA: ARMADOS E ALUCINADOS

(American Ultra)

2015 , 95 MIN.

16 anos

Gênero: Comédia

Estréia: 26/11/2015

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Nima Nourizadeh

    Equipe técnica

    Roteiro: Max Landis

    Produção: Anthony Bregman, Britton Rizzio, David Alpert, Kevin Scott Frakes, Raj Brinder Singh

    Fotografia: Michael Bonvillain

    Trilha Sonora: Marcelo Zarvos

    Estúdio: Bridge Finance Company, The, Circle of Confusion, FilmNation Entertainment, Likely Story, Merced Media Partners, PalmStar Entertainment, PalmStar Media

    Montador: Andrew Marcus, Bill Pankow

    Distribuidora: Paris Filmes

    Elenco

    Bill Pullman, Connie Britton, Don Yesso, Jesse Eisenberg, John Leguizamo, Kristen Stewart, Lavell Crawford, Michael Papajohn, Monique Ganderton, Nash Edgerton, Teri Wyble, Tony Hale, Topher Grace, Vic Chao, Walton Goggins

  • Crítica

    26/11/2015 15h43

    Estrelado por Jesse Eisenberg e Kristen Stewart, American Ultra: Armados E Alucinados é mais um desses filmes que quer parodiar e homenagear filmes de espionagem. Ao contrário de Kingsman - Serviço Secreto e A Espiã Que Sabia De Menos, que se apresentam de maneira ágil e honesta com a sua proposta, o longa dirigido por Nima Nourizadeh fica bem abaixo das expectativas, principalmente por não definir um estilo próprio.

    Apesar de ter um tom voltado para a comédia, o longa não define muito bem o que deseja e qual caminho seguir: ser uma sátira ou algo mais sombrio? Há trechos do filme em que ele parece querer assumir um lado mais cômico, com piadas sarcásticas. No entanto, há outros momentos em que tenta ser sério demais, como os filmes da trilogia Bourne, por exemplo.

    O fato é que essa inconstância incomoda e, além de não trazer identidade ao filme, deixa a trama menos interessante e confusa para o espectador.

    O longa acompanha Mike (Eisenberg), um rapaz que tenta levar uma vida simples e sem grandes objetivos. Sua principal meta é pedir a namorada Phoebe (Stewart) e, por isso, aguarda o momento certo para fazer o pedido. Mesmo sendo um cara comum e trabalhador, o curioso é que o jovem não se lembra da infância e nem se frequentou a escola. Na verdade, isso nunca o perturbou.

    No entanto, o que o incomoda para valer são seus os ataques de pânico. Se as coisas pareciam sob controle, tudo começa a ficar confuso para o rapaz quando uma moça misteriosa o encontra e, sem ele perceber, o coloca na mira de uma operação do governo, que quer eliminá-lo de qualquer forma.

    Além American Ultran de não ter um estilo definido, falta profundidade em alguns elementos importantes da história, como as inseguranças que Mike começa a ter depois de ser perseguido pelos agentes federais em relação ao seu misterioso passado. Certas coisas sobre o personagem não ficam claras, o que deixa a trama confusa em vários momentos. Dessa forma, infelizmente não é possível criar uma identificação ou qualquer empatia com o protagonista ou até mesmo com outro envolvido na trama.

    Outro deslize é o relacionamento entre os protagonistas. Mesmo com uma clara química entre Eisenberg e Stewart, o casal não se apresenta de forma tão entrosada, como acontece em Férias Frustradas De Verão, deixando a história menos interessante e pouco cativante. Uma das razões disso acontecer é o fraco roteiro de Max Landis, que apresenta algumas incoerências e deixa várias pontas soltas e indefinidas.

    De maneira geral, American Ultra: Armados e Alucinados até arranca pequenas risadas mas está longe de divertir e emocionar. O longa não te faz perder o fôlego durante as cenas de ação e nem consegue entreter, afinal de contas, é confuso na hora de cumprir com o seu principal objetivo.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus