AMOR SEM FRONTEIRAS

AMOR SEM FRONTEIRAS

(Beyond Borders)

2003 , 127 MIN.

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Martin Campbell

    Equipe técnica

    Roteiro: Caspian Tredwell-Owen

    Produção: Dan Halsted, Lloyd Phillips

    Fotografia: Phil Meheux

    Trilha Sonora: James Horner

    Estúdio: Camelot Pictures

    Distribuidora: UIP

    Elenco

    Angelina Jolie, Clive Owen, Linus Roache, Teri Polo, Yorick van Wageningen

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Não é segredo para ninguém que Angelina Jolie gosta de dedicar parte de sua atribulada agenda à população de países imersos em guerra civil ou pobreza extrema, como o Camboja, de onde adotou Madoxx, seu filho com Billy Bob Thornton. Em 2001, a atriz doou US$ 1 milhão para refugiados afegãos; no ano seguinte, visitou um campo para refugiados tailandeses, quando já havia sido nomeada embaixadora de boa vontade do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur). Mas até agora esse seu interesse tinha ficado somente no âmbito pessoal. Em Amor Sem Fronteiras, Angelina leva esse seu "serviço social" às telas.

    Neste filme, a dona de uma das bocas mais sensuais do cinema vive Sarah Jordan, uma socialite americana que se casa com um inglês no começo da década de 80. Em um daqueles jantares cheios de pompas que os ricos fazem para comemorar seu engajamento social (o rico, no caso, é o sogro de Sarah), ela conhece Nick Callahan (Clive Owen, em ótima atuação), um médico que invade o evento ao lado de um garoto africano que mora na aldeia na qual trabalha como voluntário. Ele está no jantar a fim de alertar em relação à péssima condição da Etiópia e denunciar a falta de atenção que eles recebem. Portanto, ninguém melhor para acompanhá-lo do que o menino negro, pequeno e esquálido. Mas a única atenção sincera que ele consegue é a de Sarah que, impressionada com o rompante de Nick, resolve juntar todas as suas economias e levar pessoalmente caminhões de mantimentos e vacinas ao país africano, que não duram mais do que quatro dias. O que ela vê lá não é nada bonito e é aí que o filme começa a tocar o espectador. Pessoas apodrecendo vivas, literalmente, são cobertas de moscas enquanto torram sobre o sol quente. O governo negligenciando ajuda ao grupo de Nick, enquanto que os voluntários fazem o que podem para perder menos do que 40 pessoas ao dia. A cena não é nada bonita.

    O médico, claro, não recebe asocialite muito bem. Afinal, para ele, suas intenções não são muito verdadeiras. Trocando em miúdos: ele não confia nela que, em dois dias, vai embora para Londres. Quando o filme dá um salto de alguns anos, vemos que as riquezas da família de Sarah se foram, mas sua vontade de ajudar países "menos favorecidos" não. Ela trabalha com voluntários que estão nos cantos mais longes e miseráveis do mundo, também como uma forma de continuar sabendo do paradeiro de Nick, a quem ela nunca mais esqueceu. E, claro, provar que suas intenções na África eram verdadeiras.

    Isso é tudo que você precisa saber sobre a história de Amor Sem Fronteiras, pois o seu desenrolar é o mais previsível possível: enquanto Nick luta para que seu grupo de voluntários continue recebendo ajuda enquanto viaja o mundo para ajudar aldeias isoladas e desoladas por doenças, ameaçadas pela violência dos governantes locais e pela miséria, Sarah luta para que seu amor pelo médico seja consumado. Sem deixar de fazer o bem, assim como Nick.

    Amor Sem Fronteiras é um drama épico. O drama não é pelos desencontros que acontecem entre o casal ao longo da película, mas sim pela situação dos lugares onde se passa. Afinal, de histórias de amor mal resolvidas o cinema está cheio e, quanto a isto, este filme não tem absolutamente nada a acrescentar.

    As ações do filme se passam na Etiópia, Camboja e Chechenia. Todos sabem da situação destes e de muitos outros lugares no mundo. O que Amor Sem Fronteiras faz é escancarar o problema do jeito que Angelina sempre deve ter tido vontade de fazer desde o momento que começou a se envolver com ações humanitárias. Isso sim é cosmética da fome.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus