ANDERSON SILVA: COMO ÁGUA

ANDERSON SILVA: COMO ÁGUA

(Like Water)

2011 , 76 MIN.

12 anos

Gênero: Documentário

Estréia: 16/03/2012

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Pablo Croce

    Equipe técnica

    Roteiro: Pablo Croce

    Produção: Jared Freedman

    Fotografia: Haven Lamoureux, Jeff Bollman, Pablo Croce

    Trilha Sonora: Alec Puro

    Distribuidora: Califórnia Filmes

  • Crítica

    14/03/2012 22h00

    Como Água não é um documentário sobre a história de vida de Anderson Silva, apesar de fazer um breve esboço da trajetória do lutador brasileiro dono do cinturão dos pesos médio do UFC. O filme se concentra num evento específico, a luta contra o norte-americano Chael Sonnen, ocorrida e 2010 nos Estados Unidos. Para se ambientar melhor para o embate, Anderson e sua equipe decidiram realizar o treinamento na terra do anfitrião e sede do combate. O filme documenta em estilo reality show esse período que culmina no tão esperado confronto.

    Para quem é alheio ao universo dos gladiadores dos tempos modernos, UFC é a principal liga a reunir os lutadores de MMA, sigla em inglês para Artes Marciais Mistas. Silva, hoje o maior nome brasileiro do evento, é retratado no longa ao melhor estilo Rock – Um Lutador. Inclusive, em determinado momento do documentário, Anderson faz uma citação de Balboa: “ninguém vai lhe bater mais forte que a vida”.
    Em Como Água vemos Silva sofrendo com o afastamento da família, sendo alvo de críticas – por causa de sua luta anterior, nos Emirados Árabes, na qual evitou o adversário na maior parte do tempo – e elevado ao posto de herói prestes a enfrentar o vilão Sonnen.

    Este tom excessivamente maniqueísta é o grande problema de Como Água. O diretor estreante Pablo Croce cria uma espécie de fábula: de um lado o gênio negro das artes marciais que assomou da pobreza e, do outro, o americano bem-nascido, falastrão (um espécie de Apollo Creed branco) retratado como um completo idiota. Até mesmo a parte técnica do filme trabalha a favor dessa polarização. O diretor de fotografia usa os tons da academia pintada de preto de Anderson em contraponto ao complexo clean da Nike onde Sonnen treina para mostrar a diferença dos dois lutadores.

    A favor de Croce pode-se afirmar que é bem-sucedido em ambientar a tensão crescente envolvida na pré-luta, no que é ajudado pela eficiente montagem e a bem inserida trilha sonora. Por outro lado, a captação de áudio das vozes é ruim em alguns momentos, deixando ininteligíveis trechos de alguns depoimentos.

    Como Água é um documentário tons ficcionais, roteirizado, feito para fãs de lutas marciais e para quem tem curiosidade de entender o que rola nos bastidores de uma grande luta de MMA. Um filme que tenta mostrar um Anderson Silva que não se rende ao star system criado pelo rolo-compressor marqueteiro do UFC. No entanto, acaba sendo mais uma peça publicitária a vender o Coliseu do século 21, o octógono, como palco "esportivo". Neste aspecto, o final do filme é bem emblemático: aqui o atleta deixa a arena numa ambulância, invariavelmente.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus