Pôster de Anos 90

ANOS 90

(Mid 90's)

2018 , 85 MIN.

16 anos

Gênero: Comédia Dramática

Estréia: 30/05/2019

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Jonah Hill

    Equipe técnica

    Roteiro: Jonah Hill

    Produção: Aaron Meza, Alison Goodwin, Amanda Adelson, Catherine Farrell, Eli Bush, Jonah Hill, Josh Rosenbaum, Ken Kao, Lila Yacoub, Mikey Alfred, Scott Rudin

    Fotografia: Christopher Blauvelt

    Trilha Sonora: Atticus Ross, Trent Reznor

    Estúdio: A24, Waypoint Entertainment

    Montador: Nick Houy

    Distribuidora: Diamond Films

    Elenco

    Aaron Meza, Alexa Demie, Ama Elsesser, Aramis Hudson, Chad Muska, Donovon Piscopo, Fig Camila Abner, Gio Galicia, Judah Estrella Borunda, Katherine Waterston, Kevin White, Liana Perlich, Lucas Hedges, Mecca Allen, Na-kel Smith, Olan Prenatt, Rick Howard, Ryder McLaughlin, Sonny Greenback, Sunny Suljic

  • Crítica

    10/06/2019 12h43

    Por Sara Cerqueira

    Revisitar os anos 80 e 90 é muito mais que uma tendência estética ou narrativa nos filmes e séries de hoje. A nostalgia das décadas passadas persiste nos corações de adultos que viveram suas infâncias e adolescências em um período mais malandro e desregrado, mas ao mesmo tempo ingênuo e espontâneo. Não à toa, séries como Stranger Things e filmes como It: A Coisa, Mad Max: Estrada da Fúria e Blade Runner 2049 fazem sucesso entre os mais velhos e até mesmo os ainda jovens, impressionados com um período tão criativo, colorido e despreocupado da história.

    Em Anos 90, primeiro longa-metragem escrito e dirigido pelo americano Jonah Hill (famoso por atuar em O Lobo de Wall Street e Maniac), a vulnerabilidade e autenticidade típicas da época marcam uma história dramática, engraçada e nostálgica, mas descompromissada com grandes acontecimentos e plot twists. No filme, acompanhamos o cotidiano de Stevie (Sunny Suljic), um adolescente retraído e franzino que sofre com abusos físicos do irmão mais velho e com a ausência afetiva da mãe. Ao se entrosar com um grupo de meninos skatistas da periferia, ele vive experiências marcantes e constróis seus primeiros laços verdadeiros de amizade.

    No maior estilo hangout movie (onde o foco reside em situações cotidianas de entrosamento entre personagens, e nada realmente grandioso acontece), o longa acompanha o início da vida social de um adolescente que, em busca de refúgio de um lar fragmentado, se sente acolhido entre jovens com vidas semelhantes. Não há glamourização da juventude, nem grandes aventuras, nem fantasia, nem magia: há apenas incertezas, micro violências cotidianas, resiliência às mesmas e amor entre amigos. Com uma filmagem granulada e paleta de cores fluorescentes e pastéis, o filme gravita bem entre o céu e o inferno de um período sacrificante da vida humana.

    O cast é bem escalado e equilibrado. Sunny Suljic entrega um personagem marcado pela violência, que vive na ânsia de ser aceito e viver a amizade e o amor que nunca lhe foram oferecidos, apesar de não incorporar em nenhum momento o estereótipo de "nerd inofensivo". Entre seus amigos, apesar de existir uma atenção desigual dada aos personagens, todos se destacam, cada um à sua maneira, pelas personalidades diferentes, com destaque para a sensibilidade de Ray, espécie de líder do grupo, interpretado por Na'kel Smith.

    Filmes como Anos 90 são a prova de que não somente não estamos preparados para esquecer esse período, mas que ele ainda está fértil para boas narrativas. Aqui, Jonah Hill mostrou a que veio como profissional: ser um bom ator hollywoodiano e um excelente contador de histórias.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus