APENAS O FIM

APENAS O FIM

(Apenas o Fim)

2008 , 80 MIN.

Gênero: Comédia Dramática

Estréia: 12/06/2009

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Matheus Souza

    Equipe técnica

    Roteiro: Matheus Souza

    Produção: Julia Ramil, Mariza Leão

    Fotografia: Julio Secchin

    Trilha Sonora: Pedro Carneiro

    Elenco

    Álamo Facó e Julia Gorman, Anna Sophia Floch, Erika Mader, Gregório Duvivier, Marcelo Adnet, Nathalia Dill

  • Crítica

    08/06/2009 16h39

    Sangue novo no cinema brasileiro. Com os jovens Matheus Souza na direção e Gregório Duvivier e Erika Mader nos papeis principais, Apenas o Fim vem conquistando prêmios e elogios por onde passa. E não sem motivos. Resultado de um projeto dos alunos da PUC carioca, o filme tem humor, frescor, interpretações irretocáveis, sentimento e simplicidade, muita simplicidade.

    A rigor, a trama é um gigantesco “discutir da relação”. Uma garota decide terminar o namoro com um rapaz. Ela, cansada da mesmice, quer começar uma nova vida, sozinha, viajando sabe-se lá pra onde e sabe-se lá como. Ele, apaixonado, ao mesmo tempo em que sofre por perder a menina dos seus sonhos, sabe que é preciso dar a ela o espaço necessário.

    Esta brevíssima sinopse pode sugerir um filme monótono. Não é. Enquanto caminha pelas alamedas arborizadas da bela PUC do Rio, o casal revive momentos do namoro e conversa sobre futuro e presente. Tudo regado a diálogos deliciosos com um humor digno de um Woody Allen. Ou de um Domingos de Oliveira? Por exemplo: “As montanhas do Rio de Janeiro são um projeto do Oscar Niemeyer. Foi o trabalho de formatura dele, em 1524”. Ou então: “Você é a pessoa mais maluca que eu já conheci. E olha que eu conheço gente louca. Minha mãe, por exemplo, faz terapia há 20 anos e meu pai torce pelo América”.

    Não é, contudo, uma comédia. Mas sim um grande painel dos sentimentos humanos construído por dois jovens repletos de cultura pop. De Super Mario Bros a Dakota Fanning; de Star Wars a Michael Jackson. Tudo cozido dentro de um fervente caldeirão de emoções à flor da pele. Gregório Duvivier e Érika Mader (sobrinha de Malu Mader) passam uma espantosa veracidade. Atropelam-se ao falar, sorriem com ternura, enfurecem-se com ardor. Fica até difícil (impossível?) dizer o quanto há de roteiro escrito e o quanto há de improvisação entre ambos.

    De certa forma, lembra Antes do Amanhecer e Antes do Por-do-Sol, com Ethan Hawke e Julie Delpy. Mas com um delicioso tempero brasileiro.

    Apenas o Fim ganhou os prêmios de Melhor Filme do Júri Popular e Menção Honrosa do Júri Oficial no Festival do Rio 2008, Prêmio de Melhor Filme do Júri Popular na 32ª Mostra de São Paulo, e foi selecionado para diversos festivais internacionais, como Rotterdam, Miami e outros.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus