APENAS UMA NOITE

APENAS UMA NOITE

(Last Night)

2010 , 90 MIN.

12 anos

Gênero: Romance

Estréia: 15/06/2012

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Massy Tadjedin

    Equipe técnica

    Roteiro: Massy Tadjedin

    Produção: Christophe Riandee, Massy Tadjedin, Nick Wechsler

    Fotografia: Peter Deming

    Trilha Sonora: Clint Mansell

    Estúdio: Gaumont, Nick Wechsler Productions, Star Entertainment

    Distribuidora: Vinny Filmes

    Elenco

    Anson Mount, Chriselle Almeida, Daniel Eric Gold, Eva Mendes, Griffin Dunne, Guillaume Canet, Jon Norman Schneider, Justine Cotsonas, Keira Knightley, Rae Ritke, Sam Worthington, Scott Adsit, Stephanie Romanov, Stephen Mailer, Zach Poole

  • Crítica

    13/06/2012 12h45

    Até que a morte os separe é fácil, difícil é resistir às tentações. E elas estão sempre à espreita, seja para eles ou para elas. A diferença talvez esteja em como cada gênero se comporta diante do iminente pecado da infidelidade. Este o mote de Apenas uma Noite, longa de estreia da iraniana Massy Tadjedin estrelado por Keira Knightley (Um Método Perigoso) e Sam Worthington (Fúria de Titãs 2).

    Logo nos primeiros minutos de filme somos apresentados aos protagonistas Michael e Joanna Reed. O jovem e bonito casal nova-iorquino (de uma Nova York belamente fotografada por Peter Deming, de Cidade dos Sonhos) está a caminho de uma festa onde Joanna é apresentada à nova funcionária da empresa do marido, Laura (Eva Mendes, de Hitch – Conselheiro Amoroso). A tentação se apresenta, pelo menos aos olhos de Joanna, que ensaia uma cena de ciúme discreto ao final do evento.

    Toda a sequência da festa é sutilmente dirigida por Massy, também autora do roteiro, e a desconfiança nasce em Joanna de forma discreta, sem arroubos. Parcimônia bem-vinda em tempos de cinema “mastigado” para o espectador. Michael nada percebe, a não ser no fim da noite, quando voltam de táxi para casa. As palavras não são necessárias para transmitir a tensão vivida pelo casal. Basta a imagem dos dois, homem e mulher sentados em lados opostos do banco de trás olhando distraidamente a cidade pela janela.

    A discussão acontece quando o casal chega em casa e a irritação de Joanna, embalada por doses de vinho a mais, parece exagerada. A tensão abranda e tudo provavelmente voltaria ao normal se não fosse pelo fato de Michael viajar a trabalho no dia seguinte, acompanhado do pivô da discussão, a sedutora Laura.

    Convenientemente, após a viagem do marido, Joanna vai tomar café da manhã e encontra o charmoso Alex (Guillaume Canet), um caso passageiro do passado em passagem pela cidade. Daí em diante, pela uma noite que dá nome ao filme, Michael e Joanna vão se confrontar com tentações e sentimentos de culpa.

    O enredo de Apenas uma Noite é conveniente demais, mas pode-se perdoar parcialmente este deslize pelo fato do longa fazer um interessante exercício de análise de duas pessoas tendo de preservar a fidelidade diante de alternativas atraentes à disposição. O espectador fica preso à trama e tem algumas surpresas ao longo do percurso, o que é mais do que pode ser dito sobre a maioria dos filmes do gênero. O ritmo lento da produção dá tempo para absorver cada ação, e alguns momentos sutis e pontuais carregam o longa de significados subjacentes, como quando Joanna escolhe roupas íntimas para tomar um drink com Alex, ou quando Michael cruza, desconcertado, o olhar de Laura no trem para Filadélfia.

    Apenas uma Noite
    não tem trama sofisticada e, no fim das contas, o que prende a audiência é saber se um dos dois vai sucumbir à tentação. Ainda assim trata-se de um filme agradável de se ver pela forma como a trama é conduzida, fugindo de alguns lugares-comuns e apostando na discrição narrativa.


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus