ARRANCA-ME A VIDA

ARRANCA-ME A VIDA

(Arráncame la Vida)

2008 , 107 MIN.

16 anos

Gênero: Drama

Estréia: 16/10/2009

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Roberto Sneider

    Equipe técnica

    Roteiro: Ángeles Mastretta, Roberto Sneider

    Produção: Alejandro Soberón Kuri, Federico González Compeán, Roberto Sneider

    Fotografia: Javier Aguirresarobe

    Trilha Sonora: Jacobo Lieberman, Leonardo Heiblum

    Estúdio: Altavista Films, La Banda Films

    Distribuidora: Fox Film

    Elenco

    Ana Claudia Talancón, Daniel Giménez Cacho, Irene Azuela, Joaquín Cosio, José María de Tavira, Maraina Peñalva

  • Crítica

    15/10/2009 11h27

    O cinema de novo rico que está sendo feito no México é motivo para alegria de produtores locais e tristeza para os espectadores mais exigentes.

    Nove entre dez filmes feitos no país lidam com o lugar-comum da dramaturgia como se tivessem descoberto a pólvora, fazendo com que este nosso cinema global tupiniquim pareça bom em comparação.

    É o que podemos comprovar com Arranca-me a Vida, sofrível drama dirigido por Roberto Sneider, sobre uma adolescente que se casa com um general e descobre que sua vida, ao invés de melhorar e atingir novos horizontes, fica enclausurada pelo machismo latino e pelo poder e carisma encarnados pelo militar, candidato a governador.

    O fato desse general não ter se revelado um brutamontes nojento durante o filme, mesmo depois de ter o seu poder ampliado, é um pequeno trunfo. Podemos até entender por que ela permanece com ele, apesar de amar outro homem e de não concordar com algumas de suas posturas políticas. Pena que tudo o mais cheira a cálculo, a cinema de qualidade, a um filme que parece ter apenas um olho na bilheteria, outro nas platéias que representam o tão temido e limitador "bom gosto" (entende-se, aqui, uma noção de bom gosto que entende como tal o que já está estabelecido como bem filmado, bem roteirizado, bem fotografado, em suma, a técnica acima de qualquer coisa).

    Mesclando fortes doses de erotismo soft, trilha genérica, reconstituição histórica caprichada e fotografia chique, além das habituais imagens de cartão postal e de uma voz em off que parece saída de algum comercial de absorvente, cada minuto de Arranca-me a Vida se assemelha, especialmente na primeira metade, a uma temporada na mais tenebrosa masmorra medieval (ou o que se pensa ser uma temporada em lugar assim). Depois melhora um pouco, mais pelas possibilidades da história do que pela direção de Sneider ou pela produção inflada. Mas o estrago já estava feito.

    Enquanto bobagens como esta aparecem, inúmeros grandes filmes ficam distantes deste nosso pobre circuito cinematográfico. O que surge de bom é exceção, de uma regra cada vez mais desanimadora.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus