AS CARTAS PSICOGRAFADAS POR CHICO XAVIER

AS CARTAS PSICOGRAFADAS POR CHICO XAVIER

(As Cartas Psicografadas Por Chico Xavier)

2010 , 87 MIN.

Gênero: Documentário

Estréia: 12/11/2010

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Cristiana Grumbach

    Equipe técnica

    Roteiro: Cristiana Grumbach

    Produção: Luiz Alberto Gentile

    Fotografia: Pedro Bronz

    Distribuidora: Ciclorama Filmes

  • Crítica

    11/11/2010 17h03

    Quem acompanhou a cobertura do Cineclick do Festival de Paulínia neste ano já deve ter lido a crítica da versão exibida lá do longa As Cartas Psicografadas por Chico Xavier. O texto que se segue detém-se apenas à nova versão apresentada pela diretora Cristiana Grumbach, com 87 minutos, não à anterior, de 105 minutos

    Isso esclarecido, vamos ao documentário. Começa o filme e enxergamos uma tela preta. Uma voz lê um texto, que depois descobriremos ser uma carta, de alguém distante que diz palavras ternas para outrem daqui. Já está dada a mensagem: As Cartas Psicografadas por Chico Xavier é um filme sobre a ausência.

    Mesmo com o ícone da doutrina espírita no título e trazendo personagens que encontraram alívio por meio dessa religião, o documentário de Grumbach não lida com a veracidade ou o charlatanismo do espiritismo: trata-se de um ensaio sobre os recursos que pais encontram para lidar com a ausência dos filhos.

    Tanto a diretora quanto a comontadora Karen Akerman deixam claro suas opções estéticas e a rigidez escolhida para lidar com um tema essencialmente duro. O respeito pelas histórias dessas mães e pais, o debate em torno da representação cinematográfica da ausência/morte e o receio de desrespeitar a dor da perda são ideias que guiam o trabalho.

    Nessa versão menor, As Cartas Psicografadas por Chico Xavier logra o que a outra versão apresentada em Paulínia não conseguira: condensar uma ideia sobre a dor. Não apenas no sentido temporal (redução do tempo de duração), mas principalmente no que se refere ao engrossar e tornar denso o sentimento da perda.

    O documentário ainda reserva pequenos jogos de montagem internos ao filme, mas que reverberam para nós. “Dá pra você entender?”, pergunta uma entrevistada para a diretora, que discretamente rebate a pergunta para quem assiste: é possível compreender essa dor? Dá para imaginar, sentir, não.

    Tendo a adesão para se aproximar da dor por meio de um filme rigoroso na forma, As Cartas Psicografadas por Chico Xavier vai dialogar, especialmente com quem passou pela experiência da perda.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus