AS CRÔNICAS DE NÁRNIA: A VIAGEM DO PEREGRINO DA ALVORADA

AS CRÔNICAS DE NÁRNIA: A VIAGEM DO PEREGRINO DA ALVORADA

(The Chronicles of Narnia: The Voyage of the Dawn Treader)

2010 , 113 MIN.

10 anos

Gênero: Aventura

Estréia: 10/12/2010

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Michael Apted

    Equipe técnica

    Roteiro: Christopher Markus, Michael Petroni, Stephen McFeely

    Produção: Andrew Adamson, Mark Johnson, Philip Steuer

    Fotografia: Dante Spinotti

    Trilha Sonora: David Arnold

    Estúdio: Dune Entertainment, Fox 2000 Pictures, Walden Media

    Distribuidora: Fox Film

    Elenco

    Anna Popplewell, Arabella Morton, Arthur Angel, Ben Barnes, Bille Brown, Bruce Spence, Catarina Hebbard, Colin Moody, Daniel Poole, David Sachet, David Vallon, Douglas Gresham, Gary Sweet, Georgie Henley, Greg Poppleton, Jared Robinson, Laura Brent, Laurence Coy, Liam Neeson, Lucas Ross, Megan Hill, Michael Maguire, Mirko Grillini, Nathaniel Parker, Neil Young, Nicholas Neild, Rachel Blakely, Ron Kelly, Ross Price, Roy Billing, Shane Rangi, Simon Pegg (voz), Skandar Keynes, Steven Rooke, Tamati Rangi, Terry Norris, Tilda Swinton, Tony Nixon, Will Poulter, William Moseley

  • Crítica

    28/12/2010 11h31

    Os fãs já sabem: quem cresce, não pode voltar a Nárnia, o reino mágico cujas portas somente são franqueadas aos garotos e garotas que mantêm acesa a chama da fantasia. Os irmãos maiores Pedro e Susana, presentes nos dois primeiros filmes, já “passaram a bola” para os caçulas Edmundo e Lúcia. São eles agora os responsáveis pelo terceiro episódio da cinessérie As Crônicas de Nárnia, batizado como A Viagem do Peregrino da Alvorada. Na verdade, um terceiro e importante elemento será incorporado a esta nova aventura: o primo pentelho Eustáquio (o ótimo Will Pouter), que junto a Edmundo e Lúcia é tragado para Nárnia por meio de um quadro na parede. Os três caem no reino mágico bem ao lado do barco do Príncipe Cáspian, que não consegue entender o motivo de tão inesperada visita: afinal, reina a paz em Nárnia e a presença dos reis Edmundo e Lúcia parece totalmente desnecessária. Parece. Logo nossos aventureiros navegadores vão perceber que a tão sonhada Paz não é tão fácil assim de se manter, já que eles terão de percorrer os traiçoeiros caminhos de cinco misteriosas ilhas para encontrar as espadas encantadas dos sete Lordes de Telmar. Não é mole, não.

    Este novo filme se baseia no terceiro livro de um total de sete da saga de C. S. Lewis, publicada pela primeira vez entre 1950 e 1956. Originalmente publicado em 1952, A Viagem do Peregrino da Alvorada se passa três anos depois do livro anterior, Príncipe Cáspian. Desta vez o diretor não é mais Andrew Adamson, como nos dois primeiros episódios, mas sim o premiado inglês Michael Apted, o mesmo de 007 - O Mundo Não é o Bastante, Nas Montanhas dos Gorilas e O Destino Mudou sua Vida, para citar alguns exemplos. Adamson assina agora como produtor.

    Novamente aqui se percebem os elementos da cultura católica-cristã que permeiam a obra de Lewis. São bem claras as questões da tentação, dos pecados capitais que assombram os protagonistas (como o Orgulho e a Ira de Edmundo, que quer ser Rei, e a Vaidade de Lúcia, que deseja ser tão bonita quando a irmã) e, principalmente, da forte presença de Aslam como um deus todo poderoso, onipresente e onisciente, senhor de um reino do qual não se poderá retornar, uma vez visitado. Felizmente, nada no filme é colocado de forma catequética.

    Como aventura, A Viagem do Peregrino da Alvorada cumpre o que promete. A direção de Apted imprime um bom ritmo de ação, sem escorregar na tentação fácil de transformar o filme num videogame, ao mesmo tempo em que elabora com níveis satisfatórios de tensão e mistério os ingredientes mágicos e místicos indispensáveis ao gênero. Tudo temperado com o delicioso senso de humor irônico e sarcástico típico dos britânicos. Para os olhos mais atentos, algumas cenas podem parecer excessivamente digitais, mas nada que uma boa dose de fantasia não releve.

    A Viagem do Peregrino da Alvorada ainda resolve, com muita competência, o problema da “passagem de bastão” dos protagonistas. Explicando: como no próximo filme será Eustáquio o personagem a comandar a ação, e não mais Edmundo e Lúcia, o roteiro deste terceiro capítulo tinha a importante missão de apresentar aos fãs o nascimento deste novo “herói”, com carisma e credibilidade suficientes para que a saga pudesse continuar sem sobressaltos. E conseguiu. O arco dramático de Eustáquio é dos mais convincentes, e sua “transformação” (no caso, até literalmente) já o credencia a assumir a continuidade da franquia.

    A lamentar apenas, e mais uma vez, o fato do sistema 3D ser usado aqui somente de forma mercadológica e publicitária: praticamente não existem cenas neste A Viagem do Peregrino da Alvorada que justifiquem o preço cobrado pelo ingresso 3D. Que, além de tudo, rouba luz e cores da bela fotografia do filme. Deveria existir algo no código de defesa do consumidor que proibisse esse tipo de manobra. Será que não existe?

    Uma curiosidade final: mesmo na era digital, a cenografia, digamos, “braçal”, ainda é insuperável. O belíssimo navio Peregrino da Alvorada, que dá título ao filme, foi efetivamente construído. Ele tem 43 metros de comprimento, pesa 125 toneladas e é desmontável em mais de 50 partes, para que pudesse ser utilizado tanto em locações como em estúdio.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus