AS MÃES DE CHICO XAVIER

AS MÃES DE CHICO XAVIER

(As Mães de Chico Xavier)

2010 , 108 MIN.

12 anos

Gênero: Drama

Estréia: 01/04/2011

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Glauber Filho, Halder Gomes

    Equipe técnica

    Roteiro: Emmanuel Nogueira, Glauber Filho

    Produção: Luis Eduardo Girão

    Fotografia: Carina Sanginitto

    Trilha Sonora: Flávio Venturini

    Estúdio: Associação Estação da Luz, ATC Entretenimento, Estação Luz Filmes, Lighthouse

    Distribuidora: Paris Filmes

    Elenco

    Caio Blat, Daniel Dias da Silva, Edmilson Filho, Gabriel Pontes, Gustavo Falcão, Herson Capri, Joelson Medeiros, Nelson Xavier, Neuza Borges, Paulo Goulart Filho, Tainá Müller, Vanessa Gerbelli, Via Negromonte

  • Crítica

    18/03/2011 15h00

    As Mães de Chico Xavier não é de maneira alguma inocente em suas afirmações. Um filme conectado com o seu mercado, que desenvolve nas entrelinhas seus argumentos. Em vez de apelar para a razão, prefere a emoção e a comoção.

    Os surpreendentes 550 mil espectadores para as 40 cópias de Bezerra de Menezes – Diário de Um Espírito provaram, em 2008, que existe um nicho, mesmo que finito, para ficções que se relacionam em algum grau com a doutrina espírita. Desde então, tivemos produções de maior (Chico Xavier) ou menor (Nosso Lar) aptidão cinematográfica. Em comum, todas foram sucessos de bilheteria.

    É nesse filão que As Mães de Chico Xavier se insere: um filme que enxerga quem veio antes e busca todos os mecanismos para chegar ao seu público. Mas como faz isso?

    Primeiramente, focando as mães. Quem não se identifica com a dor materna, seja ela espírita, umbandista, torcedora do Corinthians ou do Fortaleza? Em seguida, optando por convenções narrativas do que seria uma abordagem sensível de um tema doloroso.

    Depois, relacionando as três mães a um personagem que, se não é unânime do ponto de vista religioso, tem respeitabilidade dos brasileiros como um homem de bem. No filme, Chico Xavier entra como um Messias a trazer a paz que falta.

    Esse conjunto de escolhas – e muitas outras que não vale dissecar para não perder o fio da meada deste texto – faz de As Mães de Chico Xavier um filme com chances claras de encontrar seu público específico.

    Verdade: jornalismo e cinema

    Ao lidar cinematograficamente com situações delicadas, o filme de Glauber Filho e Halder Gomes (Cadáveres 2) exagera na câmera lenta ou na recorrência da música. Boas intenções – que não dão certo – para atender a expectativa de como deve ser um “filme sensível”.

    Se é simplista em algumas escolhas, As Mães de Chico Xavier faz uma complicada operação no valor da verdade na crença religiosa. Ruth (Via Negromonte) se culpa porque o filho é viciado em drogas; Elisa (Vanessa Gerbelli) é apaixonada por Theo, seu garoto de cinco anos; Lara (Tainá Müller), professora primária, acaba de descobrir que está grávida. As três mulheres, em algum momento, entrarão em contato com Chico Xavier.

    Já Caio Blat interpreta Karl, um jornalista curioso que pretende investigar a veracidade do trabalho do médium. Irônico, Chico vira para o moço e diz “que sou apenas um meio, converse com as mães, elas têm as histórias”. Karl segue o conselho e vai atrás dessas histórias.

    A partir daí o jornalismo, que lida com os fatos e a construção da verdade, se une ao cinema, arte que desperta o sensorial. Quando realiza esta complicada e sutil junção, As Mães de Chico Xavier chega à sofisticação do convencimento: o filme tem ao seu lado a representação da imprensa, que imputa veracidade ao trabalho de Chico, e os recursos dramáticos e emotivos do cinema.

    Nas entrelinhas, As Mães de Chico Xavier transforma razão e emoção em uma coisa só. Como cereja do bolo na sua argumentação, o filme insere os letreiros de algo que se tornou praticamente indicador de filme de sucesso: “baseado em fatos reais”. É o ponto final para entrar bem no mercado: se não conseguiu convencer um espírita ou um espectador disposto a se emocionar, o filme fala de um fato “verdadeiro”, algo que tem se tornado a quimera do cinema brasileiro – seja ele em produções espírita ou de uma prostituta como Bruna Surfistinha.

    Por isso que As Mães de Chico Xavier não é um filme ingênuo. Feito redondinho para atender as expectativas de um nicho, o que lhe dá limitações cinematográficas, mas com uma brecha ideológica que permite buscar outros públicos. Filme que, desde o começo, tenta se encaixar inteiramente no mercado, deixando pretensões artísticas em segundo plano.

    Como cinema, essa produção representa uma evolução em relação ao trabalho anterior de Glauber Filho, o também espírita Bezerra de Menezes. Mas não dá para dizer o mesmo do codiretor Halder Gomes, que se deu tão bem realizando filmes autorais de guerrilha que invariavelmente falam de paixão, seja pelo cinema (Cine Holiúdy – O Artista Contra o Cabra do Mal) ou pelo futebol (Loucos de Futebol).

    O cinema brasileiro ainda não encontrou, na ficção, como aliar um discurso proselitista espírita com eficiente realização cinematográfica. Nem sei se os filmes feitos ou que virão tem esta pretensão. Ainda bem. Imagina se o cinema passasse a servir o proselitismo?

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus