AUSTRÁLIA

AUSTRÁLIA

(Australia)

2008 , 174 MIN.

12 anos

Gênero: Aventura

Estréia: 23/01/2009

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Baz Luhrmann

    Equipe técnica

    Roteiro: Baz Luhrmann, Ronald Harwood

    Produção: Baz Luhrmann, Catherine Knapman, G. Mac Brown

    Fotografia: Mandy Walker

    Elenco

    Bill Hunter, Bruce Spence, Bryan Brown, David Wenham, Hugh Jackman, Jack Thompson, Nicole Kidman

  • Crítica

    23/01/2009 00h00

    Virou chavão, para muitos saudosistas, dizer que "já não se fazem mais filmes como antigamente". Para eles, uma boa notícia: sim, ainda se fazem filmes como antigamente. Pelo menos o australiano Baz Luhrmann (de Moulin Rouge - O Amor em Vermelho) acabou de fazer um. Ele se chama Austrália, traz roteiro e estética abertamente retrós e não tem nenhum problema em se assumir como rasgadamente melodramático. A má notícia é que o público (pelo menos o norte-americano) não gostou e o filme está se encaminhando a passos largos para o fracasso financeiro.

    Vale esclarecer: Para apreciar Austrália é preciso vestir a camisa de sua proposta. Trata-se de um épico histórico claramente calcado no estilo cinematográfico histriônico popularizado por ...E o Vento Levou, de 1939. Talvez não por acaso, grande parte da ação de Austrália seja ambientada exatamente neste ano. Todos os clichês do gênero estão presentes e isso não é necessariamente um defeito, mas sim uma opção estilística. Sim, o filme é feito para chorar, cheio de histórias de dor, exemplos edificantes de superação, trilha sonora exuberante, gruas, tomadas de helicópteros, intolerância racial, paixões, largas paisagens e uma guerra como pano de fundo. Até o pôster de divulgação parece de filme antigo.

    O espectador que não entrar no espírito da época fatalmente tenderá a crucificar Austrália como exagerado e ultrapassado. Mas quem aceitar o jogo de Luhrmann será brindado com um - literalmente - grande filme. Tanto em sua duração (165 minutos) como em sua caprichadíssima produção, meticulosa reconstituição de época e, claro, gigantescas locações, já que a Austrália é um continente famoso pelos seus larguíssimos horizontes.

    Quanto ao fato dele soar falso e exagerado em determinados momentos (incluindo algumas tomadas, digamos "virtuais demais"), vale esclarecer que toda a sua história é narrada por um garoto aborígene que se julga dotado de poderes mágicos, ou seja, o ponto de vista do narrador infantil justifica e explica muita coisa.

    Ah, sim, a história. Foram necessários custosos e extenuantes nove
    meses de filmagem (geralmente a média é de dois meses) para Luhrmann contar a saga da Sra. Ashley (Nicole Kidman), uma fina aristocrata inglesa que herda uma gigantesca fazenda falida na Austrália e acaba se envolvendo num mundo totalmente diferente do seu, onde proliferam a corrupção, o roubo de gado e a intolerância. Claro que pelo caminho ela vai se apaixonar por um rude peão boiadeiro (Hugh Jackman) que nem nome tem. Ele é apenas o "capataz". E por aí vai...

    Ajuste sua máquina do tempo para 1939 e curta sem culpa de ser melodramático.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus