Azul y no tan rosa

AZUL E NÃO TÃO ROSA

(Azul y non tan rosa)

2014 , 120 MIN.

Gênero: Comédia Dramática

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Miguel Ferrari

    Equipe técnica

    Roteiro: Miguel Ferrari

    Elenco

    Aroldo Betancourt, Beatriz Valdés, Carolina Torres, Daniela Alvarado, Elba Escobar, Guillermo García, Hilda Abrahamz, Juan Jesus Valverde, Nacho Montes

  • Crítica

    23/10/2014 16h38

    Claramente influenciada por novelas latinas e comédias ibéricas, Azul E Não Tão Rosa é corajoso. O filme do espanhol Miguel Ferrari discute homofobia sem rodeios, colocando em primeiro plano de sua narrativa a violência sofrida diariamente por homossexuais. Política, a obra foi a grande vencedora do Goya de Melhor Filme Estrangeiro de Língua Espanhola neste ano.

    Misturando drama e comédia, Azul conta a história de Diego (Guillermo García), um fotógrafo homossexual que vive no mundo raso e glamouroso da moda. Distante de um filho que teve durante seu único relacionamento heterossexual, ele vê a vida ganhar novos contornos quando é obrigado pela mãe do menino a passar um tempo com ele. Há, porém, um grande problema: ausente durante boa parte da infância do garoto, Diego terá que lidar com o fato de que seu filho agora é um adolescente descobrindo o amor. E com um agravante: ele é heterossexual.

    Tudo fica ainda mais complicado quando o namorado do pai (Sócrates Serrano) é espancado por um grupo que declara ódio aos gays. O que se desenhava como uma comédia, ganha ares dramáticos em sequências que abusam dos clichês típicos de filmes latinos. A emoção fácil, os discursos panfletários e muitas sequências de gosto duvidoso aparecem aqui e ali, mas há sim bons momentos.

    Azul e Não Tão Rosa cresce quando flerta com um cinema claramente influenciado por Pedro Almodóvar, principalmente quando colore a tela com seus personagens transsexuais. Em sua melhor cena, uma travesti pistoleira salva os protagonistas da mão de um grupo de homofóbicos. Hilária e referencial, a sequência foge da mesmice do desenrolar da história.

    Talvez muitos possam se incomodar com a falta de profundidade da história contada aqui, mas os personagens que transbordam carisma salvam um roteiro que não tem pretensões maiores. A história é autobiográfica e o diretor deve ficar orgulhoso de comprar essa briga usando aquilo que possui de melhor: sua ousadia.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus