BALADA DO AMOR E DO ÓDIO

BALADA DO AMOR E DO ÓDIO

(Balada Triste de Trompeta)

2010 , 108 MIN.

16 anos

Gênero: Comédia Dramática

Estréia: 12/08/2011

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Álex de la Iglesia

    Equipe técnica

    Roteiro: Álex de la Iglesia

    Produção: Gerardo Herrero, Vérane Frédiani

    Fotografia: Kiko de la Rica

    Trilha Sonora: Roque Baños

    Estúdio: Canal+, Castafiore Films, La Fabrique 2, Televisión Española (TVE), Tornasol Films S.A, uFilm

    Distribuidora: Serendip Filmes

    Elenco

    Alejandro Tejerías, Antonio de la Torre, Carlos Areces, Carolina Bang, Enrique Villén, Gracia Olayo, Manuel Tallafé, Manuel Tejada, Sancho Gracia

  • Crítica

    08/08/2011 09h00

    Teremos num curto espaço de tempo pelo menos dois filmes onde palhaços de circo são os protagonistas: O Palhaço, de Selton Mello, previsto para 28 de outubro, e Balada do Amor e do Ódio, agora para o final de julho. Tirando o fato de ambos serem rodados no ambiente circense, nada mais os une. Enquanto o filme de Selton é terno e afetivo, o do basco Álex de la Iglesia é cruel e provocativo.

    E não poderia ser diferente. Quem já viu, por exemplo, Perdita Durango, A Comunidade ou Crime Ferpeito (grafado dessa maneira mesmo), sabe que De la Iglesia é um cineasta visceral, de poucas concessões comerciais, e chegado a soluções extremadas.

    Em seu novo filme, ele roteiriza e dirige a história de Javier (Carlos Areces), um palhaço triste, que teima em trabalhar no circo, mesmo sabendo que não tem nenhum talento para isso. Ele entra em rota de colisão com outro palhaço, Sergio (Antonio de La Torre, de Lope), pelo amor da bela trapezista Natalia (Carolina Bang). Porém, Sérgio é um psicopata dos mais crueis, que comanda seu circo e sua companheira com extrema violência. Que o confronto entre os dois será inevitável, isso é fácil de perceber. Difícil é prever a dimensão radical de sentimentos e ações exacerbadas em que Javier e Sergio se envolverão.

    Uma violência que – é importante dizer – nada tem de gratuita. Com sua alegoria cruel e estilizada, De la Iglesia traça um perturbador painel metafórico da Espanha da era do ditador Francisco Franco (1938-73), então um país comandado por um palhaço psicopata. A ação do filme se inicia nos primeiros anos da ditadura franquista e, não por acaso, tem seu ápice final no gigantesco crucifixo do Valle de los Caídos, imponente monumento que o caudilho mandou construir para si próprio.

    Balada do Amor e do Ódio é o retrato da avassaladora destruição moral que décadas de ditadura podem ocasionar sobre toda uma sociedade. Um filme denso, forte e instigante que foi indicado a 16 Goya (ganhou dois) e que levou os prêmios de direção e roteiro no Festival de Veneza.

    O prestigiado portal IMDB, se ainda não corrigiu, o classifica como “comédia”. Que palhaçada!


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus