BEIJOS E TIROS

BEIJOS E TIROS

(Kiss Kiss, Bang Bang)

2005 , 103 MIN.

Gênero: Ação

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Shane Black

    Equipe técnica

    Roteiro: Shane Black

    Produção: Joel Silver

    Fotografia: Michael Barrett

    Trilha Sonora: John Ottman

    Estúdio: Silver Pictures, Warner Bros

    Elenco

    Joel Michaely, Michelle Monaghan, Robert Downey Jr., Shannyn Sossamon, Val Kilmer

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Às vezes, surgem nos cinemas brasileiros filmes espertos como Beijos e Tiros. São daqueles feitos para quem realmente gosta de cinema e, melhor, é capaz de tirar um sarro com a indústria cinematográfica. É isso que o roteirista Shane Black faz em sua estréia na direção: bagunça elementos de clássicos do cinema e reverte a seu favor. Inteligente e muito bem-humorado, Beijos e Tiros é um filme estilo "Sessão da Tarde" com cérebro, unindo um roteiro criativo e interpretações ótimas.

    Beijos e Tiros tem forte influência de filmes de detetives, incluindo a narração em primeira pessoa, feita pelo protagonista Harry Lockhart (Robert Downey Jr.). Mas ele não é um detetive, mas sim um ladrãozinho barato que acaba caindo nas mãos de um agente de Hollywood que quer transformá-lo num ator. Para um papel, Harry é apresentado ao detetive Gay Perry (Val Kilmer), que dá ao pseudo-ator umas aulas de como ser detetive. E, sim, Gay é homossexual, o que rende algumas ótimas piadas. Confuso? Espere entrar a mulher fatal na história, Harmony (Michelle Monaghan), por quem o narrador logo cai de amores. Está completa a confusão, que envolve o glamour de Hollywood, jogos de poderes, armas, tiros e reviravoltas.

    O elenco está afiadíssimo e a dupla formada por Downey Jr. e Val Kilmer merece estar na lista das "melhores duplas de filmes policiais de todos os tempos" - se é que esta lista existe; se não, a gente inventa. E olha que este nem é um filme policial, mas consegue tirar um sarro. Isso porque o diretor tem gabarito para isto: foi roteirista de um grande clássico do gênero, Máquina Mortífera (1987), em seu debute no cinema. Sabendo como as coisas funcionam, com certeza fica mais fácil inverter os valores, como acontece em Beijos e Tiros. E é esse o maior charme do filme.

    Em tempo: o menino que interpreta Harry na infância é Indio Falconer Downey, filho de Robert Downey Jr..

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus