BELLINI E A ESFINGE

BELLINI E A ESFINGE

(Bellini e a Esfinge)

2000 , 120 MIN.

16 anos

Gênero: Suspense

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Roberto Santucci Filho

    Equipe técnica

    Roteiro: Alexandre Plosk

    Produção: Theodoro Fontes, Tony Bellotto

    Fotografia: Jacob Solitrenick

    Trilha Sonora: Andreas Kisser, Charles Gavin, Tony Bellotto

    Estúdio: Afrodisia FloresProduções Artísticas LTDA

    Distribuidora: Imagem Filmes

    Elenco

    Carlos Meceni, Cláudio Gabriel, Eliana Guttman, Fábio Assunção, Malu Mader, Marcos Damigo, Maristane Dresch, Max, Paulo Hesse, Rosaly Papadopol

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Apenas mais um filme policial. Assim pode ser definida Bellini e a Esfinge, produção brasileira baseada no livro homônimo do “titã” Tony Bellotto. Rodado inteiramente nas cidades de São Paulo e Santos, Bellini e a Esfinge é assumidamente inspirado no estilo noir americano dos anos 40. Todos os elementos típicos do gênero estão no filme: o detetive amargurado com seu passado, as reviravoltas da trama, a fotografia escura, o constante clima de traição e ciladas pairado no ar. Porém, a fraca direção de atores prejudica bastante o resultado final. Há muitos diálogos recitados, falsos, interpretados muitas vezes de uma forma impostada que parece ter saído das antigas matinês de cinema. Não é o caso de Malu Mader, convincente no papel de prostituta, sensual sem ser vulgar. Importante: não esperem cenas de nudez.

    A trama mostra um milionário (Paulo Hesse) que contrata uma agência de investigações para localizar uma prostituta desaparecida. Ao mergulhar no caso, os detetives Bellini (Fábio Assunção) e Beatriz (Maristane Dresch) se envolvem no submundo das drogas e da corrupção. Nada que você já não tenha visto antes em filmes B americanos.

    Tony Bellotto, além de autor do livro que originou o filme, co-produtor e marido de Malu Mader, também é o responsável pela trilha sonora, ao lado de Charles Gavin (seu companheiro na banda Titãs) e Andreas Kiesser (guitarrista do Sepultura). A supervisão geral e a orquestração foram assinadas por Eduardo Queiroz.

    Nada especial.

    28 de fevereiro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus