BEM-VINDO À SELVA

BEM-VINDO À SELVA

(The Rundown)

2003 , 104 MIN.

Gênero: Ação

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Peter Berg

    Equipe técnica

    Roteiro: James Vanderbilt, R. J. Stewart

    Produção: Karen Glasser, Kevin Misher, Marc Abraham

    Fotografia: Tobias A. Schliessler

    Trilha Sonora: Harry Gregson-Williams, Toby Chu

    Estúdio: Columbia Pictures Corporation

    Elenco

    Christopher Walken, Ewen Bremner, Rosario Dawson, Seann William Scott, The Rock

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Depois de estrelar O Escorpião Vermelho, o campeão de luta livre The Rock embarca nesta aventura acontecida num "Brasil" filmado no Havaí. Ele interpreta Beck, um grandalhão contratado para viajar até a selva amazônica, onde deverá resgatar Travis (Sean William Scott, de American Pie), uma filhinho de papai que teima em encontrar uma valiosa relíquia indígena. Ao chegar à selva, Beck é obrigado a se defrontar com Hatcher (Christopher Walken), o todo poderoso explorador de índios que domina a região na base da força.

    Reedição melhorada (com mais humor, montagem clipada e boa produção) dos antigos filmes de pancadaria que fizeram sucesso na Era Reagan, nos anos 80, época de Stallone, Schwarzenegger, Chuck Norris e similares. A idéia é sempre a mesma: alardear que o terceiro mundo é uma droga e que só pode encontrar esperança de redenção através da intervenção violenta dos EUA. Aqui, porém, há um sub-texto ainda mais direitista, típico da era Bush: o herói, que a princípio não admite armas de fogo, se deixa seduzir por elas na cena inicial, num claro recado contra o desarmamento. Mas, quem não se importa com nada disso, pode, simplesmente, deixar o bom senso de lado e se devertir com esta "sessão da tarde" explosiva.

    Para os brasileiros, o filme tem um sabor especial. A equipe de produção fez um trabalho quase perfeito ao recriar, no deserto da Califórnia, uma convincente vila brasileira, onde não faltam caixas de Brahma, letreiros em bom português, bandeiras de times cariocas e até uma propaganda de Schincariol. Só faltou ensinar português de verdade aos nativos "brasileiros", donos de um terrível sotaque sabe-se lá de onde.

    Na verdade, a idéia era filmar no Brasil, mas a primeira equipe que foi ao Amazonas fazer pesquisa de locação foi assaltada e violentamente ameaçada por armas, fazendo com a produção desistisse do nosso País.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus