BOA SORTE, MEU AMOR

BOA SORTE, MEU AMOR

(Boa Sorte, Meu Amor)

2012 , 95 MIN.

16 anos

Gênero: Drama

Estréia: 30/08/2013

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Daniel Aragão

    Equipe técnica

    Roteiro: Daniel Aragão, Gregorio Graziosi, Luiz Otávio Pereira

    Produção: Isabela Cribabi, Manoela Torres, Nara Aragão, Pedro Severien

    Fotografia: Pedro Sotero

    Trilha Sonora: Jimi Tenor

    Estúdio: Orquestra Cinema Estúdios

    Distribuidora: Cicatrix Filmes

    Elenco

    Ana Lucia Altino, Bianca Müller, Cacau Maciel, Carlo Mossy, Christiana Ubach, Gerlane Silva, Jack Mugler, Júlio Rocha, Maeve Jinkings, Marku Ribas, Rogério Trindade, Sandra Possani, Vinicius Zinn, Zezita Matos

  • Crítica

    26/08/2013 05h00

    Alguns cineastas pernambucanos não gostam quando a imprensa especializada categoriza seu cinema. Cinema brasileiro, dizem, e não pernambucano. Negar o regionalismo, neste caso, é bobagem. Assim como seria não levar em conta esta produção atípica dentro do cenário nacional pela qualidade, ousadia narrativa e estética, e fuga, quase sempre bem-sucedida, do convencional. Boa Sorte, Meu Amor, de Daniel Aragão, é mais um exemplo da boa safra de filmes do elogiado e premiado audiovisual pernambucano.

    Filmado em preto e branco, conta a história de amor entre Dirceu (Vinicius Zinn) e Maria (Christina Ubach). Ele é empresário do ramo de demolição, filho de um fazendeiro do interior. Ela, estudante de música que sonha viver da profissão, mas sobrevive de bicos como promoter. Os dois se apaixonam depois de seus caminhos se cruzarem por acaso e, a partir desse romance, o filme se propõe a discutir diversos temas relacionados ao embate entre velho e novo, presente e passado, tendo como pano de fundo um Estado onde o choque entre essas realidades é gritante.

    Este é tema recorrente e característico da cinematografia pernambucana. Aragão, como seus conterrâneos diretores, fala dessa transformação de Recife exibindo cenas de casarões históricos sendo derrubados em contraponto a edifícios de luxo sendo construídos. O próprio apartamento de Dirceu, espaçoso e vazio, reforça o quanto essa transformação da cidade incomoda os artistas da terra, que veem a especulação imobiliária descaracterizando e demolindo a história arquitetônica recifense.

    Toda trama é levada longe do lugar-comum, enveredando-se pelo surrealismo de algumas situações e abusando da trilha sonora para criar sensações díspares da realidade narrativa exibida na tela - uma clara provocação do diretor. E é preciso embarcar em sua proposta para driblar a estranheza, que é bem-vinda. Aragão, no entanto, exagera nas referências – e elas são muitas – tentando abarcar num mesmo filme assuntos diversos e propostas estéticas idem. Isso faz com que Boa Sorte, Meu Amor perca um pouco da harmonia e pareça, por vezes, um ou mais filmes dentro de outro.

    A ousadia de Aragão, no entanto, não é despropositada, inócua e muito menos supérflua. O cineasta, estreante em longas-metragens, segura o espectador do começo ao fim da trama, provoca sensações diversas e não distancia o público com vanguardismo de boutique. Trabalho de estreia elogiável de um diretor que merece atenção por nos fazer antever coisas boas no futuro.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus