BODAS DE SANGUE

BODAS DE SANGUE

(Bodas de Sangre)

1981 , 72 MIN.

14 anos

Gênero: Drama

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Carlos Saura

    Equipe técnica

    Roteiro: Antonio Artero

    Produção: Emiliano Piedra

    Fotografia: Teo Escamilla

    Trilha Sonora: Emilio de Diego

    Estúdio: Emiliano Piedra

    Elenco

    Antonio Gades, Carmen Villena, Cristina Hoyos, Juan Antonio Jimenez, Pilar Cardenas

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Mistura de cinema e dança. Linguagem fílmica, teatral e até operística se misturam com maestria em Bodas de Sangue, filme de 1981 que volta em cópia nova.

    Antonio Gades, um dos papas de dança flamenca, transformou em balé uma das mais populares histórias de Federico Garcia Lorca, sobre uma trágica cerimônia de casamento. Carlos Saura, o cineasta mais aclamado da Espanha antes do surgimento de Pedro Almodóvar, filmou este verdadeiro poema musical de maneira criativa e arrebatadora.

    Usando e abusando da metalingugem, Bodas de Sangue mostra uma companhia de dança que ensaia a apresentação de um trágico ballet. O enredo do espetáculo aborda uma sangrenta vingança que deveria acontecer durante uma festa de casamento. Ciúmes, paixões, traições. Temas tão latinos são explorados com incrível vigor pela câmera de Saura, que gira e dança tão apaixonadamente como os próprios movimentos dos bailarinos.

    “Eu podia observar os dançarinos de perto e via com detalhes seus esforços, o suor, o cansaço, a respiração ofegante. Era essa fascinação que queria expressar no filme. Acima de tudo,
    procurava com a câmera alcançar os dançarinos fisicamente, com se fosse com as mãos", disse Saura sobre seu filme.

    No roteiro, palavras são desnecessárias. Diálogos, irrelevantes. Tudo é narrado com as palmas, as vozes e o forte sapateado que caracterizam o flamenco. O filme é um inebriante exercício de forma e estilo. Uma viagem hipnótica pelos sons da Espanha e pelas imagens de um diretor genial.

    Bodas de Sangue é Cinema com “C” maiúsculo, é a arte cinematográfica em sua maior expressão. Aplaudido mundialmente, Bodas de Sangue é o primeiro filme de uma trilogia sobre o bailado flamenco que se completaria mais tarde com os também ótimos Carmen (1983) e Amor Bruxo (1986).

    Pena que o filme será reprisado apenas no Belas Artes, em São Paulo, sala que definitivamente não está preparada para reproduzir a belíssima trilha sonora de Emilio de Diego.

    11 de julho de 2001
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rede Bandeirantes de Televisão, Canal 21, Band News e Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus