Pôster de Bohemian Rhapsody

BOHEMIAN RHAPSODY

(Bohemian Rhapsody)

2018 , 135 MIN.

14 anos

Gênero: Biografia

Estréia: 01/11/2018

página inicial do filme
  • Onde assistir

    Programação

  • Ficha técnica

    Direção

    • Bryan Singer

    Equipe técnica

    Roteiro: Anthony McCarten, Peter Morgan

    Produção: Brian May, Bryan Singer, Graham King, Jim Beach, Peter Oberth, Richard Hewitt, Robert De Niro, Roger Taylor

    Fotografia: Newton Thomas Sigel

    Trilha Sonora: John Ottman

    Estúdio: GK Films, New Regency Pictures, Queen Films Ltd., Regency Enterprises, Tribeca Productions

    Montador: John Ottman

    Distribuidora: Fox Film

    Elenco

    Aaron McCusker, Ace Bhatti, Aidan Gillen, Alicia Mencía Castaño, Allen Leech, Ben Hardy, Charlotte Sharland, Dickie Beau, Gwilym Lee, Ian Jareth Williamson, Israel Ruiz, Jess Radomska, Jessie Vinning, Johanna Thea, Joseph Mazzello, Lora Moss, Lucy Boynton, Matthew Fredricks, Matthew Houston, Max Bennett, Michael Cobb, Michelle Duncan, Mike Myers, Rami Malek, Tom Hollander

  • Crítica

    31/10/2018 17h30

    Por Daniel Reininger

    Bohemian Rhapsody, ao contrário da música que dá nome ao filme, é óbvio e convencional, seguindo todos os aspectos das biografias de grandes estrelas do rock. Isso não quer dizer que o filme não seja divertido, afinal quem ama Queen vai pirar com as músicas, mas o único destaque real é a atuação carismática e enérgica de Rami Malek como Freddie Mercury, sem ele, esse filme seria apenas um videoclipe de 2 horas sobre a banda.

    Malek está mais do que à altura da tarefa de dar vida à Freddie Mercury, capturando a alma do cantor, deixando claro o contrastante entre vulnerabilidade e autoconfiança e segura o filme sozinho mesmo quando o roteiro decepciona. O ator deveria, ao menos, ser indicados a muitos prêmios por sua atuação.

    Assim com o Queen, Malek precisa de seus coadjuvantes para funcionar e Gwilym Lee como Brian May, Ben Hardy como Roger Taylor, e Joe Mazzello como John Deacon, são cruciais para o longa funcionar. Falta desenvolvimento de roteiro para esses personagens, mas carisma e as interações com Freddie acabam compensando um pouco.

    Vale apontar também a participação de Mike Myers, como um executivo de uma gravadora que não acha que a música "Bohemian Rhapsody" será algo que as crianças vão balançar a cabeça ouvindo, obviamente é uma referência ao personagem do ator em Wayne's World (Quanto Mais Idiota Melhor). Quem não se lembra da cena dos amigos no carro balançando a cabeça ao som dessa incrível música.

    O lado negativo do elenco fica por conta de Allen Leech como Paul Prenter, um ex-assistente que se tornou o gerente pessoal de Freddy e namorado abusivo. Ele vive um antagonista bem vilanesco, sem simpatia alguma e totalmente demonizado pelo roteiro. É um personagem raso criado apenas para justificar a degradação de Freddie. Obviamente, pessoas manipuladoras assim existem, mas sua maldade não fica tão óbvia o tempo todo, como nesse filme.

    Embora momentos realmente bons aconteçam quando o filme mostra como o Queen compôs algumas de suas músicas clássicas, o filme, falta muita coisa pra essa biografia ser realmente satisfatória como obra cinematográfica. As músicas ganham espaço demais, porém acabam por agradar ao espectador porque é Queen, em Imax. Não tem como não se animar. Mas questões como o pouco espaço para o romance de Freddie com Jim, no final de sua vida, enquanto a sua relação com Mary tem uma superexposição, deixa as coisas bem frustrantes. Eu, pelo menos, tinha muito interesse em ver mais da pessoa que o cantor escolheu para passar seus últimos anos de vida.

    Queen é Queen. Para quem curte a banda, como eu, Bohemian Rhapsody é um filme muito divertido e emocionante. Só que é também muito superficial, incapaz de assumir riscos ao evitar as maiores polêmicas e dramas da vida do protagonista. Se não fosse por Malek como Mercury e a trilha do Queen para compensar as falhas narrativas, o longa seria totalmente descartável. Só que mesmo incapaz de fazer jus ao legado de Freddie como poderia, essa produção é obrigatória para todos que curtem a banda e querem saber um pouco mais sobre um dos maiores roqueiros da história.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus