CAÇADOR DE RECOMPENSAS

CAÇADOR DE RECOMPENSAS

(The Bounty Hunter)

2010 , 106 MIN.

14 anos

Gênero: Comédia Romântica

Estréia: 16/04/2010

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Andy Tennant

    Equipe técnica

    Roteiro: Sarah Thorp

    Produção: Neal H. Moritz

    Fotografia: Oliver Bokelberg

    Trilha Sonora: George Fenton

    Estúdio: Madhouse Entertainment

    Distribuidora: Sony Pictures

    Elenco

    Cathy Moriarty, Christine Baranski, Daisy Tahan, Dorian Missick, Gerard Butler, Jason Sudeikis, Jennifer Aniston, Liam Ferguson, Natalie Morales, Siobhan Fallon

  • Crítica

    14/04/2010 15h52

    Tirando o fato de que o escocês Gerard Butler só consegue falar com o canto esquerdo da boca (será que ele aprendeu com Antônio Fagundes?) e Jennifer Aniston mostrando, mais uma vez, que é uma atriz limitada a poucos tipos de papeis, Caçador de Recompensa vale pelo lindo Delta 88 Conversível que Bluter dirige nas paisagens de Atlantic City e pelas sequências de perseguição.

    Não há muitos segredos na trama do filme dirigido por Andy Tennant (Um Amor de Tesouro), Butler é um ex-policial que trabalha como caçador de recompensas. Aniston interpreta sua ex-mulher, uma repórter que só pensa no furo jornalístico e, justamente por causa de uma matéria, perde uma audiência na justiça. Sim, ele recebe a incumbência de trazê-la de volta à cidade e receber, em troca, US$ 5 mil.

    Nesse tipo de filme, que chama a atenção pelo nome dos atores, paisagens, ação e romance, o espectador não pode desviar a atenção. O filme tem de capturá-lo desde o início, arrebatá-lo e só largá-lo no final da projeção, com a sensação de “valeu o ingresso e a pipoca”.

    Só que, em Caçador de Recompensas, o trajeto entrada/saída do filme é tortuoso. Algumas sequências de comédia e romance funcionam (a exemplo da cena do jantar), assim como outras de perseguição (quando Butler e Aniston fogem do tatuador traficante).

    Mas o filme tem um roteiro cheio de “barrigas” (aqueles momentos em que, em vez de estarmos mergulhados no filme, perdemos a conexão). Se o ritmo do começo, quando os desafios são apresentados ao espectador, é satisfatório, o mesmo não acontece nas aventuras da estrada que envolve o casal.

    As mesmas situações cômicas, baseadas nas trapaças e nos desencontros, se repetem. Pelo menos uns dez minutos dos 106 que estão na versão final poderiam ter sido eliminados de Caçador de Recompensas para que chegássemos ao desfecho – quando o óbvio acontece – sem termos alternado tanto interesse e desinteresse durante o filme.

    Sem falar que o longa se estrutura em algo conhecidíssimo no cinema americano: o jogo de oposições, como a bem-sucedida/ o fracassado, a romântica/o insensível. Sem contar o personagem do tipo “panaca” que serve de escada para os protagonistas.

    O maior atrativo de Caçador de Recompensas é realmente o Delta 88 Conversível, pois, se depender da química Butler/Aniston, ou dos momentos cômicos, o filme fica bem para trás em uma lista de filmes divertidos sobre casais separados que são obrigados a conviverem juntos.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus