Pôster de Carrossel: O Filme

CARROSSEL, O FILME

(Carrossel, O Filme)

2015 , 83 MIN.

Gênero: Comédia

Estréia: 23/07/2015

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Alexandre Boury, Mauricio Eça

    Equipe técnica

    Roteiro: Erez Milgrom, Márcio Alemão, Mirna Nogueira

    Produção: Diane Maia, Marcio Fraccaroli, Sandi Adamiu

    Fotografia: Alexandre Samori

    Trilha Sonora: Fabio Góes

    Estúdio: Paris Entretenimento, RioFilme, SBT, Televisa

    Distribuidora: Downtown Filmes, Paris Filmes

    Elenco

    Carlinhos Aguiar, Eduardo Estrela, Fernanda Concon, Gabriel Calamari, Guilherme Seta, Gustavo Daneluz, Jean Paulo Campos, Larissa Manoela, Léo Belmonte, Lucas Santos, Maísa Silva, Marcia de Oliveira, Matheus Ueta, Nicholas Torres, Noemi Gerbelli, Orival Pessini, Oscar Filho, Paulo Miklos, Stefany Vaz, Thomaz Costa

  • Crítica

    22/07/2015 18h48

    Mesmo deixando de lado alguns temas importantes que Carrossel procurou discutir, como racismo e desigualdade social, é interessante ver que a adaptação cinematográfica da versão brasileira da novela, dirigida por Mauricio Eça e Alexandre Boury, pelo menos, tentou manter as principais características dos personagens.

    Apesar dos atores estarem mais velhos (a novela acabou em julho de 2013), ainda é possível ver a ingenuidade e a paixão platônica de Cirilo (Jean Paulo Campos) pela metidinha Maria Joaquina (Larissa Manoela), as armações de Paulo (Lucas Santos) e Kokimoto (Mateus Ueta), e o sentimentalismo exagerado de Laura (Aysha Benelli) comandando as ações da trama.

    Pena que as virtudes do longa param por aí. E não é porque a história carrega um tom infantil e, sim, por tropeçar várias vezes em um tom bobo demais, deixando diversas situações forçadas e transformando elementos importantes da trama em algo caricato ao extremo.

    E muito disso ocorre por causa da preocupação excessiva da dupla de diretores em não somente mostrar os fatos, mas também em explicar tudo o que está acontecendo em volta dos personagens. Para eles, é visível que é de fundamental importância que o protagonista diga que o acampamento é a sua vida, que o vilão deixe claro que odeia crianças e que todos (não importa a idade) precisam de um amigo para as horas difíceis.

    Nada contra a essas mensagens. Pelo contrário, elas são importantíssimas, ainda mais em um longa infantil, mas no caso de Carrossel, O Filme, não era necessário ter essa preocupação excessiva de explicar esse tipo de coisa, já que essas são questões que se apresentam de maneira óbvia e natural nesse tipo de contexto. O fato é que esse exagero é ruim, pois deixa a trama redundante e cansativa ao mesmo tempo.

    A história é bem simples e começa com os alunos da Escola Mundial fazendo a contagem regressiva para as férias. Sem a presença da querida professora Helena (Rosanne Mulholland), que está ausente por causa de uma gravidez, as crianças são chamadas para conhecerem o acampamento Panapaná, que pertence ao Sr. Campos (Orival Pessini), avô de Alícia (Fernanda Concon).

    Acompanhados pela diretora Olívia (Noemi Gerbelli) e pela faxineira Graça (Marcia De Oliveira), Cirilo, Maria Joaquina, Paulo, Daniel, Valéria, Jaime e companhia embarcam para uma série de aventuras no local. No entanto, tudo começa a mudar quando Gonzalez (Paulo Miklos) e Gonzalito (Oscar Filho) chegam no pedaço. Loucos para comprarem as terras que pertencem ao Sr. Campos para construir uma fábrica, a dupla decide usar todos os artifícios possíveis para sabotar as atividades das crianças.

    Na tentativa de compensar os erros, Eça e Boury deixa o desenvolvimento dos personagens mirins bem distribuído, o que é bom para os fãs que acompanharam a novelinha do início ao fim. Assim, todos os alunos mais conhecidos têm o seu momento de destaque e de diversão no filme. Nesse ponto, vale destacar as atuações de Larissa Manoela, que traz de maneira segura a típica garotinha da cidade que não combina com a vida do campo, pois não quer manchar a maquiagem e sujar a roupa, e Lucas Santos que, mesmo mais velho, consegue transmitir o mesmo espírito arteiro de Paulo, visto na televisão anteriormente.

    De maneira geral, Carrossel, O Filme é repetitivo, cansativo e infantil demais para os mais velhos (até para aqueles que cresceram assistindo a versão original mexicana, transmitida no Brasil na década de 1990). Em contrapartida, o longa deve atender as expectativas do público mais novo, principalmente as crianças que estavam morrendo de saudade da versão brasileira dos alunos da Escola Mundial.



Deixe seu comentário
comments powered by Disqus