CASAMENTO ARRANJADO

CASAMENTO ARRANJADO

(Hatuna Meuheret)

2001 , 100 MIN.

Gênero: Comédia

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Dover Koshashvili

    Equipe técnica

    Roteiro: Dover Koshashvili

    Produção: Edgard Tenenbaum, Marek Rozenbaum

    Fotografia: Dani Schneor

    Trilha Sonora: Joseph Bardanashvili

    Elenco

    Aya Steinovits Laor, Dina Doron, Leonid Kanevsky, Lili Koshashvili, Lior Ashkenazi, Moni Moshonov, Ronit Elkabetz, Rozina Cambus, Sapir Kugman, Simon Chen

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    O tema do casamento parece não ter fim no cinema internacional. Depois de Casamento à Indiana, antes de Casamento à Grega e praticamente durante Jalla!Jalla! (cujo tema principal também é o matrimônio), agora é a vez da estréia de Casamento Arranjado, uma co-produção entre França e Israel que chega aos nossos cinemas em circuito restrito.

    Vencedor de nada menos do que dez prêmios da Academia de Cinema de Israel, o filme chegou até a ser lançado no exigente (para os estrangeiros, é claro) mercado norte-americano de cinema, onde permaneceu em cartaz por quatro meses e arrecadou quase 1,5 milhão de dólares. A cifra é expressiva para um produto dublado.

    Bastante simples, a trama gira em torno de Zaza (Lior Ashkhenazi), um homem que está sendo pressionado pela família. Motivo: ele está prestes a completar 32 anos e é preciso arrumar uma esposa o mais rápido possível. De acordo com as tradições judaicas, ele deve escolher uma jovem virgem, bela, de boa família e, de preferência, rica. Assim, os pais de Zaza passam a organizar seguidos encontros com esposas em potencial, mas o rapaz não se decide nunca. Mesmo porque ele já está apaixonado faz tempo pela bela e misteriosa Judith (Ronit Elkabetz). O grande “problema” é que ela é divorciada e mãe de uma garotinha de seis anos.

    Roteirizado e dirigido pelo georgiano radicado em Israel Dover Koshashvili, Casamento Arranjado é uma comédia despretensiosa que consegue adicionar algumas pitadas dramáticas em alguns momentos durante a narrativa. Mas sua intenção básica mesmo é claramente divertir e ser popular. Dentro da temática do casamento, é quase impossível não reconhecer no filme uma ou mais (ou muitas) situações já vividas em nossas próprias famílias, provando que o tema é universal. Não é de estranhar que tanto Casamento Arranjado como seus “similares” Casamento à Indiana, Casamento à Grega e Jalla!Jalla! tenham feito tanto sucesso em seus respectivos países.

    26 de setembro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. [email protected]

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus