CAZUZA - O TEMPO NÃO PARA

CAZUZA - O TEMPO NÃO PARA

(Cazuza - O Tempo Não Para)

2004 , 98 MIN.

Gênero: Drama

Estréia: 11/06/2004

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Sandra Werneck, Walter Carvalho

    Equipe técnica

    Roteiro: Fernando Bonassi, Victor Navas

    Produção: Daniel Filho

    Trilha Sonora: Cazuza, Guto Graça Mello

    Estúdio: Globo Filmes

    Distribuidora: Columbia

    Elenco

    André Gonçalves, Andréa Beltrão, Daniel de Oliveira, Débora Falabella, Leandra Leal, Marieta Severo, Reginaldo Farias

  • Crítica

    11/06/2004 00h00

    Sempre achei Val Kilmer - interpretando o astro do rock Jim Morrison, no filme The Doors - a melhor encarnação de um personagem do meio musical por um ator. Quem assistiu ao filme, sabe do que estou falando. Kilmer não interpreta, ele incorpora Morrinson. Hoje, já não falo da melhor atuação, mas das melhores. Depois de assistir a Cazuza - O Tempo Não Pára, que chega às telas de todo o Brasil nesta sexta-feira, passei a considerar o impressionante trabalho do ator Daniel de Oliveira tão bom quanto.

    Dirigido por Sandra Werneck, realizadora de Pequeno Dicionário Amoroso e Amores Possíveis, em parceria de Walter Carvalho, o premiado fotógrafo de Central do Brasil e Carandiru, Cazuza - O Tempo Não Pára é inspirado nos depoimentos do livro Só As Mães São Felizes, de Lucinha Araújo, mãe do cantor - interpretada no filme por Marieta Severo. O longa abarca pouco mais de 10 anos da vida do poeta, do início da sua carreira nos palcos do Circo Voador, em 1981, passando pelo sucesso alcançado junto com o Barão Vermelho e, depois, na carreira solo, até a morte prematura em 1990 vítima da Aids.

    Quando recebeu o convite para dirigir o filme, Sandra Werneck pensou em fazer um misto de documentário e ficção sobre a vida do cantor. Durante os testes para escolher o protagonista, dos quais participaram 60 candidatos, a diretora conheceu Oliveira e seu potencial e decidiu-se definitivamente pela ficção. Além de muito parecido com o cantor, o jovem ator - que faz o mocinho conquistador da novela Cabloca - tinha uma "atitude Cazuza", como bem definiu a diretora.

    Atitude é pouco. Oliveira, assim como Kilmer em The Doors, incorpora Cazuza nos mínimos detalhes. O gestual, a maneira de falar e até a voz são idênticos. No filme, parte das músicas é dublada pela voz de Cazuza e parte é cantada pelo ator. Apure os ouvidos e tente descobrir quem é quem. É quase impossível. Para se ter uma idéia, Ezequiel Neves, o Zeca, produtor musical e melhor amigo de Cazuza, não conseguiu discernir.

    Cazuza - O Tempo não Pára tem produção caprichada, boas atuações, roteiro bem-amarrado e uma excelente direção de arte, conduzida por Cláudio Amaral Peixoto, de cujo currículo constam trabalhos como Dois Perdidos Numa Noite Suja e Lisbela e o Prisioneiro. Mas o maior mérito do filme é resgatar este personagem marcante e singular do cenário pop dos anos 80 e apresentá-lo às novas gerações. Num País de memória curta como o nosso, produções como esta são mais que bem-vindas.

    Em tempo: completam o elenco os atores Reginaldo Faria (como João Araújo, pai de Cazuza), Emílio de Mello (como Ezequiel Neves), Leandra Leal e Andréa Beltrão (as amiga Bebel e Malu), André Gonçalves (como Maneco) e Débora Falabella numa participação especial.


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus