O CHAMADO 3

O CHAMADO 3

(Rings)

2017 , 102 MIN.

12 anos

Gênero: Terror

Estréia: 02/02/2017

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • F. Javier Gutiérrez

    Equipe técnica

    Roteiro: Akiva Goldsman, David Loucka, Jacob Aaron Estes

    Produção: Laurie MacDonald, Walter F. Parkes

    Fotografia: Sharone Meir

    Estúdio: BenderSpink, Macari/Edelstein, Parkes MacDonald Image Nation, Vertigo Entertainment

    Montador: Jeremiah O'Driscoll

    Distribuidora: Paramount Pictures

    Elenco

    Adam Fristoe, Aimee Teegarden, Alex Roe, Andrea Laing, Andrea Powell, Brandon Larracuente, Chris Greener, Chuck David Willis, Jill Jane Clements, Johnny Galecki, Matilda Anna Ingrid Lutz, NM Garcia, Ricky Muse, Surely Alvelo, Wing Liu

  • Crítica

    02/02/2017 15h06

    Por Iara Vasconcelos

    Desde que Hollywood descobriu a potência do cinema de terror asiático, conseguiu transformar as adaptações para o mercado americano em uma verdadeira mina de ouro com produções como O Grito, Espíritos e, claro, O Chamado alcançando números surpreendentes de bilheteria.

    Baseado no japonês Ringu, O Chamado caiu no gosto popular e transformou a garotinha Samara em ícone da cultura pop. Após faturar US$ 249 milhões mundialmente, o filme ganhou status de clássico e logo uma sequência foi programada, mas o sucesso de crítica e bilheteria não se repetiu.

    Em mais uma tentativa de reviver a franquia, O Chamado 3 propõe uma trama com novos elementos e que envolve a era digital em que vivemos. Entretanto, a sequência se recusa a desapegar de velhos clichês.

    Na história, Holt (Alex Roe) está de mudança após passar na faculdade. Entretanto, ele deixará para trás a sua namorada Julia (Matilda Lutz), por quem é completamente apaixonado. Durante as aulas, ele se aproxima de um professor e acaba se envolvendo em um projeto de pesquisa sobre o famoso vídeo de Samara.

    Holy acaba assistindo o vídeo e recebendo a ligação revelando que ele morrerá em sete dias, entretanto ele pode se salvar se fizer uma cópia das imagens e conseguir outra pessoa para assisti-las.

    Júlia acaba se sacrificando para salvar o amado, mas logo descobre que o intuito de Samara não é apenas matá-la. É aí que entra uma das novidades do filme: Um novo vídeo surge, com imagens totalmente diferentes do primeiro e que pode indicar o paradeiro do corpo da garota. Nesse meio tempo, uma outra personagem relacionada à Samara é apresentada.

    O diretor F. Javier Gutiérrez optou por abrir mão de alguns elementos tradicionais para adicionar mais modernidade à história. Diferente do que acontecia nos outros filmes, dessa vez a fita cassete não é passada de mão em mão, mas sim compartilhada através de pen-drives e dispositivos móveis, fazendo com que a maldição se alastre mais ainda e com mais facilidade.

    O filme brinca um pouco com o "voyeurismo" digital e com a curiosidade com que abrimos e compartilhamos links sem nos importarmos com os conteúdos ou com a repercussão que isso pode causar.

    Mesmo com essa guinada progressiva, o cineasta ainda se prende aos velhos chavões do terror, investindo pesado nos efeitos sonoros e trilha, mas entregando sustos inofensivos e sequências totalmente previsíveis. Quando um personagem abre uma porta, já sabemos que algo estará lá.

    Outra baixa no filme é que a pesquisa realizada pelo professor é pouco explorada na trama e nos deixa cheios de perguntas não respondidas. Entretanto, o desfecho do terceiro filme indica que uma sequência deve acontecer para esclarecer esses questionamentos.

    A franquia O Chamado já tem uma bilheteria cativa dos fãs da franquia, isso é fato. Mas se você espera uma trama que saia do lugar comum, ou uma sequência que faz jus aos outros filmes, como foi o caso de Invocação Do Mal 2, pode sair desapontado.

Deixe seu comentário
comments powered by Disqus